Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Dia Internacional do Ar Limpo: ASPEA promove implementação de sensores em escolas para alcançar ar mais limpo

arlimpodr

No Dia Internacional do Ar Limpo, que se celebra anualmente a 7 de Setembro, a Associação Portuguesa de Educação Ambiental (ASPEA) apela a que as diferentes entidades, nomeadamente agentes políticos e comunidade estudantil trabalhem em conjunto para monotorização e definição de medidas para melhorar a qualidade do ar ambiente.

O Dia Internacional do Ar Limpo foi proclamado na Resolução 74/212 da Assembleia Geral da ONU de 19 de Dezembro de 2019.

Com o objectivo de salientar a importância da qualidade do ar e sensibilizar a população para a importância de conhecer e proteger este elemento fundamental à vida, a ASPEA promove, desde 2020, o projecto 'MAPeAR', o qual assenta na implementação de uma rede de cerca de 40 sensores em escolas nacionais, os quais permitem avaliar a qualidade do ar ambiente nas áreas urbanas das escolas associadas e contribuir, assim, para uma maior aproximação dos jovens às instituições do poder local e, consequentemente, contribuir para os processos de democracia participativa.

Num comunicado enviado ao ALVORADA, o presidente da ASPEA explica que "estes sensores medem a concentração de partículas PM2.5 e PM10, consideradas pela OMS² como os poluentes do ar que mais pessoas afetam no mundo, sendo um bom indicador da qualidade geral do ar. A partir dos dados obtidos pela nossa rede, esperamos contribuir para informar o público das concentrações destes poluentes e dos perigos que eles representam para a saúde”.

Segundo Joaquim Ramos Pinto, "com estas informações, será possível estimular a participação cidadã, de forma a influenciar políticas públicas locais e nacionais, no sentido de serem tomadas medidas de forma a melhorar a qualidade do ar, como o estímulo da mobilidade suave, a transição para a descarbonização e uma regulamentação mais apertada das principais fontes poluidoras na indústria, que poderão ser identificadas a partir dos dados dos nossos sensores”, acrescenta o responsável.

O projecto 'MAPEAR' usa dois tipos de dispositivos de monitorização: fixos e móveis. Os dispositivos fixos são instalados num local em contacto com o ar externo, dentro das imediações de uma escola ou num dos núcleos da ASPEA.

Joaquim Ramos Pinto afirma que as escolas têm um papel importante na monitorização colaborativa da qualidade do ar ambiente, contribuindo, assim, para introduzir metodologias de investigação-acção nas comunidades educativas, em temáticas ambientais menos desenvolvidas nas escolas, nomeadamente a qualidade do ar ambiente (partículas PM10 e PM2,5) e os seus efeitos sobretudo na saúde humana e, deste modo, incentivar à participação activa no quotidiano das comunidades e cidades em que as escolas se inserem - trata-se de enraizar a "aprendizagem fora de portas" através do recurso às novas tecnologias ao dispor da ciência cidadã.

Com implementação do projecto 'MAPeAR', a ASPEA tem vindo a capacitar professores de escolas do 3º ciclo do ensino básico e secundário como monitores e agentes multiplicadores da Rede MAPeAR nas temáticas da qualidade do ar ambiente, democracia participativa, políticas públicas e saúde pública.

Pretendemos continuar a contribuir para uma consciencialização crítica individual e coletiva a nível escolar e das comunidades no entorno das escolas associadas, bem como para o delinear de influência e propostas em políticas públicas locais enquanto cidadãos activos e a participação em consultas, orçamentos participativos e outros instrumentos de participação pública”, refere ainda Joaquim Ramos Pinto.

A evolução da fase de implementação da rede mapear poderá ser acompanhada no microsite, nomeadamente através dos links dos dashboards da nossa plataforma SIG.

Fotografia: Direitos Reservados