Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Desabafos: a boda

Uma das cerimónias da Igreja de que mais gostava era dos casamentos. Não era só pelo acto em si, mas em tudo o que o envolvia.

Depois do casamento, os noivos e acompanhantes saiam da Igreja Matriz debaixo de uma chuva de arroz e tiravam fotografias. De seguida agrupavam-se nos degraus, existentes na altura, a caminho do Asilo, para a fotografia de grupo. Aí sim, era a parte de que eu mais gostava, o pai da noiva atirava para o povo que rodeava o cortejo, uma mão cheia de rebuçados, amendoins e, quando era de posses, dinheiro.

A malta gritava “boda abençoada”, enquanto procurava guardar nos bolsos a maior quantidade do atirado ao ar.

Quando chovia, o pregão mudava consoante a “bondade” do pai da noiva. Se dava alguma coisa, ouvia-se: “boda molhada, boda abençoada”. Se, por outro lado, nada atirava, a malta gritava: “boda molhada, boda borrada”.

E o cortejo lá seguia para o beberete, deixando para trás a turba mais ou menos contente consoante o amealhado.

João Farinha