Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Inflação atinge em Março valor mais alto desde Junho de 1994 revela INE

INE

A variação homóloga do índice de preços no consumidor (IPC) foi de 5,3%, em março, face aos 4,2% de Fevereiro, o valor mais alto desde Junho de 1994, confirmou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

“A variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) foi 5,3% em Março de 2022, taxa superior em 1,1 pontos percentuais (p.p.) à observada no mês anterior”, tratando-se do “valor mais elevado desde Junho de 1994”, divulgou o INE, confirmando assim os valores previstos nas estimativas rápidas divulgadas no final de Março.

O indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) também acelerou, registando uma variação de 3,8% (3,2% em Fevereiro).

Já a variação do índice relativo aos produtos energéticos aumentou para 19,8%, face aos 15% no mês precedente, o que corresponde ao valor mais elevado desde Fevereiro de 1991.

Por sua vez, o índice referente aos produtos alimentares não transformados apresentou uma variação de 5,8%, face aos 3,7% em Fevereiro.

A variação mensal do IPC foi 2,5% (0,4% no mês precedente e 1,4% em março de 2021), enquanto a variação média dos últimos doze meses foi 2,2% (1,8% em fevereiro).

Quando ao índice harmonizado de preços no consumidor (IHPC), registou-se uma variação homóloga de 5,5%, representando o valor mais elevado desde o início do IHPC, em 1996.

Esta taxa é superior em 1,1 pontos percentuais à do mês anterior e inferior em 2,0 pontos percentuais ao valor estimado pelo Eurostat para a área do Euro, “reflectindo sobretudo diferenças apreciáveis no comportamento dos preços dos bens energéticos, em particular da electricidade”, apontou o INE.

Assim, excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos, o IHPC em Portugal atingiu uma variação homóloga de 4,1% em Março, superior à taxa correspondente para a área do Euro (estimada em 3,2%), “apresentando um perfil ascendente muito pronunciado”.

O IHPC registou uma variação mensal de 2,6% (0,5% no mês anterior e 1,5% em Março de 2021) e uma variação média dos últimos doze meses de 2,0% (1,5% no mês precedente).

Texto: ALVORADA com agência Lusa