Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Monkeypox: Mais 21 casos registados faz aumentar para 297 pessoas infectadas segunda DGS

Monkeypox DGS

O número de pessoas infectadas pelo vírus 'Monkeypox' subiu para 297, de acordo com dados divulgados hoje pela Direcção-Geral da Saúde, havendo mais 21 casos registados, a maioria na região de Lisboa e Vale do Tejo.

Segundo a informação da Direcção-geral da Saúde (DGS), foram confirmados mais 21 casos de infecção humana por vírus 'Monkeypox', elevando para 297 os casos registados, sendo que “todas as infecções confirmadas são em homens entre os 19 e os 61 anos, tendo a maioria menos de 40 anos”.

“Os novos casos foram confirmados pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA)”, acrescentou a DGS, referindo que há também casos registados nas regiões Norte e Algarve.

Refere também que os casos identificados estão sob acompanhamento clínico e estão estáveis e que a “informação recolhida através dos inquéritos epidemiológicos está a ser analisada para contribuir para a avaliação do surto a nível nacional e internacional”. “A DGS continua a acompanhar a situação a nível nacional em articulação com as instituições europeias”, diz ainda.

De acordo com as autoridades de saúde, a manifestação clínica da 'Monkeypox' é geralmente ligeira, com a maioria das pessoas infectadas a recuperar da doença em poucas semanas. Os sintomas incluem febre, dor de cabeça, dores musculares e nas costas, nódulos linfáticos inchados, calafrios, exaustão, evoluindo para erupção cutânea. O período de incubação é tipicamente de seis a 16 dias, mas pode chegar aos 21 e, quando a crosta das erupções cutâneas cai, a pessoa infectada deixa de ser infecciosa.

Portugal vai receber 2.700 doses das vacinas contra o vírus 'Monkeypox' adquiridas pela Comissão Europeia, confirmou recentemente a DGS, que está a elaborar uma norma técnica que definirá a forma como serão utilizadas.

Texto: ALVORADA com agência Lusa