Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Sindicatos pedem mais investimento no Serviço Nacional de Saúde e mais médicos

SNS

Os sindicatos dos médicos defenderam hoje mais investimento no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e a contratação de mais médicos, forma de resolver problemas como a falta de especialistas em urgências.

Depois de uma reunião com a ministra da Saúde, Marta Temido, na sequência do encerramento em vários hospitais das urgências de obstetrícia, o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e a Federação Nacional dos Médicos (FNAM), disseram que o problema no SNS não é pontual mas sim estrutural.

“Não me pareceu que a ministra estivesse tão ciente que isto não é um problema pontual, é um problema estrutural”, disse Jorge Roque da Cunha, secretário-geral do SIM, após a reunião, acrescentando que a ministra “não tem a noção da gravidade da situação nos serviços de obstetrícia”, que se estende também à medicina interna, anestesiologia, e “um pouco por todo o SNS”.“Em vez de investir no SNS estão a apostar em trabalho precário”,  afirmou o responsável, referindo que da reunião os sindicatos esperavam respostas concretas em relação “à gravidade do problema, que não é de agora”.

Roque da Cunha declarou que "nunca se investiu tão pouco no SNS”, considerando que a reunião com Marta Temido valeu pelo facto de a ministra reconhecer que há um problema. E esse problema, apontou, não tem a ver com folgas ou férias dos médicos, tem a ver com a falta de médicos nas escalas de serviço e é um problema não conjuntural, mas estrutural.

Noel Carrilho, presidente da FNAM, também disse que a necessidade de médicos no SNS “é perfeitamente evidente”, e lamentou que da reunião não tenha saído qualquer proposta por parte de Marta Temido. “É preciso valorizar o profissional médico do SNS, o prestador de serviços é mais valorizado do que o profissional do SNS”, lamentou.

Texto: ALVORADA com agência Lusa