Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: Média diária aumenta para os 14.400 casos de infecção revela INSA

Covid 19 7

A média de infecções pelo coronavírus SARS-CoV-2 passou para os 14.400 casos diários a nível nacional, registando um aumento desde meados de Abril, indicam dados do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) hoje divulgados.

O valor médio do índice de transmissibilidade (Rt) para os dias entre 2 e 6 de Maio foi de 1,13 (média de 14.400 novos casos por dia)” em Portugal, adianta o relatório semanal do INSA sobre a evolução da Covid-19 no país.

Desde meados do último mês, a média de casos a cinco dias tem vindo a aumentar em Portugal: 8.931 infecções diárias entre 11 e 15 de Abril, 9.474 entre 18 e 22 de Abril, 11.153 entre 25 e 29 de Abril e 14.400 entre 2 e 6 de Maio.

De acordo com o INSA, Rt do SARS-CoV-2 subiu em todas as regiões do país em relação ao período anterior, o que indica uma tendência crescente de novos casos, sendo a Madeira a única que apresenta este indicador abaixo do limiar de 1.

O Rt - que estima o número de casos secundários de infecção resultantes de cada pessoa portadora do vírus - aumentou no Norte de 1,09 para 1,17, no Centro de 1,06 para 1,13, em Lisboa e Vale do Tejo de 0,98 para 1,11, no Alentejo de 0,97 para 1,13, no Algarve de 0,91 para 1,09, nos Açores de 1,04 para 1,10 e na Madeira de 0,83 para 0,86.

Todas as regiões apresentam também uma taxa de incidência superior a 960 casos por 100 mil habitantes em 14 dias, sendo mais elevada nos Açores (2.334,8 casos), seguida do Centro (2.049,5) e do Alentejo (2.044,2).

Apesar do aumento de casos diários nas últimas semanas, o relatório da última sexta-feira da Direcção-Geral da Saúde e do INSA sobre a pandemia indicava que o número de pessoas com Covid-19 internadas nos cuidados intensivos dos hospitais do continente correspondia a 23,5% do valor crítico definido de 255 camas ocupadas.

Texto: ALVORADA com agência Lusa