Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Leiria Capital Europeia da Cultura inicia em Alcanena colectânea de cadernos de viagem

Leiria Capital Europeia da Cultura

Uma colecção de cadernos de viagem é iniciada esta segunda-feira em Alcanena, no âmbito do projecto ‘Horizontes 26’, com que a candidatura de Leiria a Capital Europeia da Cultura pretende prestar homenagem ao património do território dos 26 municípios envolvidos, entre os quais figuram os 12 concelhos do Oeste.

Depois de Ourém e Torres Vedras, a Rede Cultura 2027 - entidade promotora da candidatura - anunciou que Alcanena, no distrito de Santarém, é o próximo destino de ‘Horizonte 26’. Lá será dado início a uma colectânea de cadernos de viagem a construir por artistas convidados a participar nestas visitas que ligam castelos, fortes, faróis e outros lugares patrimonialmente relevantes.

Em Alcanena, participam o pintor Saúl Roque Gameiro, sobrinho-bisneto do aguarelista Alfredo Roque Gameiro, de Minde, e Rui Gonçalves, artista plástico, também desta vila do concelho de Alcanena. Ambos vão documentar a visita que se reparte por uma manhã de experimentação e contemplação, reservando-se a tarde para a reflexão, avançou a Rede Cultura 2027.

Cada caderno de viagem de ‘Horizontes 26’ abrange dois municípios, compilando o resultado da documentação produzida pelos artistas. O projecto contempla várias áreas artísticas e tem curadoria de António Gonçalves.

Segundo a Rede Cultura 2027, ‘Horizontes 26’ convoca o património existente em cada um dos 26 concelhos envolvidos na candidatura de Leiria para “um desafio com novos horizontes”, como forma de reconhecimento do “contributo do património cultural edificado na construção da matriz identitária da comunidade onde se insere, a sua natureza tutelar e hospitaleira na relação umbilical com o território, as gentes e a sua capacidade de promover uma reflexão intemporal”.

Texto: ALVORADA com agência Lusa