Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: Novos casos podem chegar aos 2.000/dia na 1.ª quinzena de Dezembro alertam especialistas

Covid 10

Especialistas da Universidade de Lisboa defendem que, se o índice de transmissibilidade (Rt) se mantiver acima de 1,1, o número de novos casos de Covid-19 pode chegar aos 2.000 diários na primeira quinzena de Dezembro.

Num artigo divulgado no ‘site’ da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Manuel Carmo Gomes (epidemiologista) e Carlos Antunes (matemático) dizem que o Rt se tem situado acima de 1,1 e defendem que, se se mantiver como está, “o número de novos casos deverá duplicar a cada 30 dias”, podendo chegar aos 2.000 casos diários na primeira metade de Dezembro.

Lembram que, nas últimas semanas, as idades onde o risco de infecção tem sido mais elevado se situam entre os 18 e os 25 anos, seguidos das crianças com menos de 10 anos e dos jovens adultos entre 25 e 40 anos de idade, faixas que aumentaram a socialização após 1 de Outubro. Recordam ainda que tem havido surtos pontuais em lares de idosos, sublinhando que esta faixa etária não é aquela onde os nos casos mais têm aumentado, mas é a que tem maior risco de desenvolver doença grave, que pode obrigar a hospitalizações e levar à morte.

Os especialistas revelam que, desde o início de Outubro, a maioria dos novos casos de infecção ocorreu já em pessoas completamente vacinadas, sublinhando que as vacinas se mantêm “altamente protectoras contra doença grave”, mas que a sua efectividade contra infecção pela variante Delta do vírus (a dominante em Portugal) é inferior a 80% e decai com o passar do tempo. “Por exemplo, os dados relativos à vacina mais administrada em Portugal (Comirnaty®, Pfizer) mostram que em Setembro ocorreram 1,7 infecções por cada 1.000 pessoas que tinham sido vacinadas em Julho, enquanto para os vacinados antes de Março, ocorreram 3,9/1.000 infecções”, escrevem. Sublinham que, após cinco a seis meses pós-vacinação, o risco de infecção se acentua e, nos mais idosos ou em pessoas com comorbilidades, “têm ocorrido casos de doença grave com hospitalização e óbito”.

Os especialistas insistem na importância do reforço vacinal e frisam que, nos mais idosos, se for suficientemente rápido, “deverá compensar o decaimento da protecção que tinham obtido por vacinação no início do ano, permitindo que atravessem o Inverno com baixa probabilidade de contrair doença grave”. No entanto, escrevem que a possibilidade de os vacinados contraírem infecção, sugere que “qualquer país terá grande dificuldade em interromper totalmente a circulação do vírus”, mesmo com coberturas vacinais muito elevadas. “Na prática, isto significa que o SARS-CoV-2 provavelmente persistirá entre nós nos próximos anos, podendo qualquer um de nós vir a ter um encontro com o vírus e, eventualmente, ser infectado”, acrescentam.

Manuel Carmo Gomes e Carlos Antunes recordam ainda que, desde o início de Outubro, a incidência da doença tem apresentado uma “tendência de subida persistente” e avisam que a persistência de um Rt acima de 1 “origina um crescimento exponencial da incidência, o qual é passível, em situação prolongada, de originar situações de elevada pressão hospitalar”.

Texto: ALVORADA com agência Lusa