Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Ordem dos Psicólogos disponibiliza recomendações para situações de catástrofe

Ordem Psicologos Portugueses

A Ordem dos Psicólogos disponibilizou hoje um documento com recomendações para ajudar adultos e crianças a lidar com situações de calamidade como os incêndios que todos os anos afetam o país.

Elaborado em conjunto com a Direcção-Geral da Saúde, o documento divulgado pela Ordem dos Psicólogos tem como objectivo ajudar a gerir emoções e compreender alterações de comportamento na sequência de acontecimentos traumáticos para a comunidade ou a nível pessoal.

Destinado a quem vivenciou um desastre natural e a todos os que se possam relacionar com as pessoas afectadas, o documento ‘Como Lidar com um Desastre Natural’ dá respostas sobre o que pode ser feito para ajudar a enfrentar a situação vivida, sejam crianças, adolescentes, adultos, pessoas idosas ou a própria comunidade, anunciou a Ordem em comunicado. “Vivenciar um incêndio pode afectar a saúde e o bem-estar psicológico, uma vez que provoca um conjunto intenso de emoções e reações que podem persistir. É comum haver sentimentos de medo e ansiedade, mas também de dificuldade em aceitar a realidade ou mesmo de responsabilidade pelo que aconteceu”, de acordo com a Ordem.

Assim, nas crianças e adolescentes é comum o sentimento de tristeza, ansiedade, preocupação com o que acontecerá a seguir, vontade de chorar ou de bater em alguém, medo, confusão, falta de atenção, dificuldade em adormecer, dores e de cabeça ou de barriga. Porém, recuperam do impacto do acontecimento de várias formas, dependendo da idade, do significado atribuído ao incêndio, de experiências anteriores e da capacidade de lidar com a adversidade. “Para que os jovens se sintam melhor é essencial falar sobre o que aconteceu, aceitar o que se está a sentir, compreender as mudanças, relembrar que não somos responsáveis pelo que aconteceu e pedir ajuda, se necessário”, recomendam os psicólogos. Os pais e cuidadores devem, por isso, estar atentos a reações como mais dependência dos familiares, mais agitação, mais isolamento, mais birras, mais agressividade, mudança no desempenho escolar, pesadelos, entre outros comportamentos.

Nos adultos, o stresse, o desespero e a perda de controlo são “sentimentos normais” em quem vive a experiência de um incêndio. “Depois da primeira reação de choque e negação, podem surgir sentimentos intensos e imprevisíveis (mudanças de humor ou irritação), alterar-se padrões de pensamento e comportamento (falta de concentração ou dificuldade em tomar decisões), intensificar-se relações interpessoais (discussões ou isolamento) ou mesmo sinais físicos (dores de cabeça, insónias)”, advertiu a Ordem dos Psicólogos. O primeiro passo para ultrapassar a situação é “aceitar que as emoções intensas são uma resposta normal ao impacto emocional e ao stresse causado pelo incêndio”.

Texto: ALVORADA com agência Lusa