Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: Governo garante que em Abril Portugal vai “triplicar” administração de vacinas

Antonio Costa vacinacao 27032021

O Primeiro-Ministro, António Costa, afirmou hoje que em Abril Portugal vai “triplicar o esforço de administração de vacinas” e considerou que essa logística será “o bom problema” para o país.

No final de uma visita ao Pavilhão Multiusos de Odivelas, em Lisboa, um dos locais onde começou hoje a vacinação de docentes e não-docentes, António Costa explicou que este exercício de vacinação massiva tem uma dupla função. “Este exercício é não só importante para dar segurança a todos os que trabalham nas escolas, mas para testar estes postos de vacinação rápida”, defendeu o Primeiro-Ministro.

Tal como já tinha sido anunciado pela ‘task-force’ da vacinação, o líder do Governo referiu que em Abril o país vai receber 1,8 milhões de vacinas, “tantas quantas recebemos em Janeiro, Fevereiro e Março”. “Vamos ter de triplicar o esforço de administração de vacinas, todos o processo que tem decorrido em centros de saúde vai ter de ser complementado por 150 postos de vacinação rápida”, afirmou, dizendo que se prevê a administração de cem mil vacinas por dia.

O Primeiro-Ministro garantiu ainda que haverá recursos humanos para a administração de todas estas vacinas, entre “recursos do Serviço Nacional de Saúde e outros que possam ter de ser contratados fora do SNS”. “Já estão identificados os 150 postos, alguns já estão montados como este de Odivelas, outros estão a sê-lo (…) Vamos ter uma operação sete dias por semana, não digo 24 horas, mas sete dias por semana para assegurar todo o esforço de vacinação”, assegurou.

Questionado se esta será uma nova fase da vacinação em Portugal, Costa respondeu que o será “em termos de escala”, mas garantiu tratar-se, neste caso, de um “bom problema”. O Primeiro-Ministro explicou que se pretende “concluir esta operação” de vacinação de professores e funcionários escolares no fim-de-semana de 10 e 11 de Abril, não estando prevista vacinação em massa no fim-de-semana da Páscoa. “Este processo de vacinação em massa tem de ser testado agora para depois em Abril estarmos prontos, é muito exigente do ponto de vista logístico”, frisou, dizendo que em Maio o país receberá ainda mais do que os 1,8 milhões de vacinas previstas para Abril.

Questionado sobre se tem conhecimento de muitas recusas por parte de docentes e funcionários escolares, Costa respondeu que “algumas, felizmente não muitas”, voltando a defender que a vacina da AstraZeneca “é segura para todas as idades”.

O Primeiro-Ministro visitou, durante cerca de meia hora, a forma como decorria o processo de vacinação no pavilhão de Odivelas, acompanhado do coordenador da ‘task-force’, o vice-almirante Gouveia e Melo, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e o presidente da Câmara Municipal de Odivelas, o socialista Hugo Martins. Só hoje está prevista a vacinação neste pavilhão de 970 pessoas, com horários desfasados, e a meio da manhã o processo decorria com tranquilidade e sem filas.

A vacinação dos professores e trabalhadores não-docentes do pré-escolar e 1.º ciclo contra a Covid-19 arranca hoje em todo o país, num processo que vai envolver quase 80 mil profissionais da educação. No total, estão incluídos nesta primeira fase, que decorre entre sábado e domingo, cerca de 78.700 os professores e funcionários do pré-escolar, primeiro ciclo e também da chamada ‘Escola a Tempo Inteiro’, que reabriram na semana passada, abrangendo os sectores público e privado.

O processo de vacinação vai decorrer de três formas: nos concelhos onde o grupo de profissionais a vacinar seja inferior a 250 pessoas, será nos centros de saúde, naqueles em que se prevê a vacinação entre 250 e 500 pessoas, o processo será realizado nas escolas e nos locais com mais de 500 pessoas, a escolha recaiu nos Centros de Vacinação Covid.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Lusa