Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: Creches e ATL fecham, universidades podem ter de mudar avaliações

Covid 19 23

O Primeiro-Ministro anunciou hoje que as creches e ateliês de tempos livres serão encerradas no âmbito da interrupção das actividades lectivas por causa do novo coronavírus, enquanto as universidades poderão ter de ajustar o calendário de avaliações.

Falando a seguir ao Conselho de Ministros em que foi decidido interromper a atividade lectiva de todos os graus de ensino, António Costa pormenorizou que as creches e ATL também ficarão fechadas durante um período de 15 dias a partir desta sexta-feira.

Quanto às universidades, "no âmbito da autonomia universitária, devem adoptar as devidas medidas, tendo em conta que alguns dos estabelecimentos estão neste momento em avaliações e poderão ter que reajustar esse calendário de avaliações", declarou.

O Primeiro-Ministro justificou a interrupção da actividade lectiva com a disseminação da variante do SARS-CoV-2 mais contagiosa na sociedade portuguesa, que registou um aumento de prevalência de 8% na semana passada para cerca de 20% actualmente. O líder do Governo afirmou que de acordo com as previsões epidemiológicas, os novos casos da variante britânica do novo coronavírus poderão atingir uma prevalência de "60% nas próximas semanas" e que "o princípio da precaução" determina o encerramento das escolas.

Salientou que o encerramento da actividade lectiva é complementar a todas as outras medidas de restrição da actividade económica e de movimentos da população em vigor e que se pretende que seja "de curta duração", dando tempo para medir a evolução da situação epidemiológica.

Questionado sobre a razão pela qual não determinou antes o encerramento das escolas, António Costa afirmou que se tomam medidas "em função dos dados que existem, não dos que existiram nem dos que se imagina que venham a existir". "Há uma semana, de acordo com os dados que tínhamos, esta estirpe tinha uma prevalência reduzida. No espaço de uma semana, teve um crescimento muito significativo", indicou.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.075.698 mortos resultantes de mais de 96,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em Portugal, morreram 9.686 pessoas dos 595.149 casos de infecção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direcção-Geral da Saúde.

Texto: ALVORADA com agência Lusa