Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Login

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Território a norte do Tejo em situação de alerta entre domingo e terça-feira devido a risco de incêndio

Floresta

Há 14 distritos do continente a norte do Rio Tejo que vão estar, entre domingo e terça-feira, em situação de alerta, “face às previsões meteorológicas para os próximos dias, que apontam para um significativo agravamento do risco de incêndio rural", segundo o Governo. Trata-se de uma decisão governamental que decisão que abrange os distritos de Aveiro, Braga, Bragança, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria, Lisboa, Portalegre, Porto, Santarém, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu.

É proibida a realização de queimas e queimadas e o uso de fogo de artifício ou de outros artefactos pirotécnicos, e são proibidos o acesso, a circulação e a permanência em espaços florestais "previamente definidos nos Planos Municipais de Defesa da Floresta Contra Incêndios". Também não são permitidos trabalhos florestais e rurais com equipamentos elétricos como motorroçadoras, corta-matos, destroçadores e máquinas com lâminas ou pá frontal.

São permitidas, no entanto, a alimentação de animais, execução de podas, regas, extração de cortiça e mel e colheitas de culturas agrícolas, desde que "sejam de carácter essencial e inadiável", em zonas de regadio, sem materiais inflamáveis e fora de floresta e mata. São permitidos ainda trabalhos de construção civil, "desde que inadiáveis e que sejam adotadas as adequadas medidas de mitigação de risco de incêndio rural".

O Governo assegurou o “ajustamento” do conteúdo das declarações de situação de alerta face ao risco de incêndio, inclusive o nível de proibição, em resposta às solicitações dos diferentes operadores, desde empresas florestais a agentes turísticos. “Desde as primeiras declarações de alerta que foram feitas este ano, temos vindo a ajustar o seu conteúdo, em concreto as determinações e o nível de proibição que estas declarações acarretam”, avançou a secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, numa conferência de imprensa na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC), em Carnaxide, Oeiras.

Patrícia Gaspar explicou que o ajustamento do conteúdo das declarações de situação de alerta tem sido feito “em articulação com as restantes áreas governativas que concorrem para esta situação, designadamente a área da agricultura, a defesa nacional, o ambiente”, considerando todas as solicitações recebidas por parte dos diferentes operadores, inclusive empresas florestais. “É óbvio que situações deste género, em que temos de restringir movimentação, circulação, há proibições adicionais, causam sempre impacto, a avaliação que é feita é ‘qual é o mal menor?’, portanto a decisão tem de recair no sentido de garantir ao máximo a preservação dos espaços rurais, dos espaços florestais”, apontou a governante.

O Governo determinou a declaração da situação de alerta em 14 distritos do território continental, todos a norte do rio Tejo, incluindo Portalegre, entre as 00h00 de domingo e as 23h59 de terça-feira, face ao risco de incêndio. Neste âmbito, a secretária de Estado da Administração Interna assegurou que o conteúdo desta declaração de situação de alerta “está perfeitamente ajustado com as restantes áreas governativas e com os diferentes sectores que foram apresentando estas solicitações e que foram tidas, obviamente, em boa conta”. Assim, a governante reforçou que as determinações que integram a declaração de situação de alerta são feitas “em função da avaliação das condições meteorológicas e do risco de incêndio”.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Paulo Ribeiro/ALVORADA (arquivo)