Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Mensagem do Presidente da Assembleia Municipal da Lourinhã

Vivemos num tempo de incerteza, onde o saber se banalizou, a ciência caiu à rua, e nesta crise mundial, pela primeira vez caiu na banalidade das redes sociais. É mais importante a mensagem do amigo do vizinho, que é médico sabe-se lá aonde, do que a mensagem da Direção Geral da Saúde e das autoridades locais.

Todos sabem quais seriam as melhores medidas a tomar. Quarentena obrigatória, exigem uns, prisão para quem sai à rua, gritam outros. No final, ouvimos todos dizer “isto se fosse no estrangeiro toda a gente respeitava, mas como é em Portugal é sempre a mesma coisa”… Considero que neste particular estamos a mudar, e a mudar para melhor… não é fácil chamar à razão os portugueses, mas estamos todos, em conjunto a conseguir!

O medo que a todos afeta é natural, mas de nada nos adianta ceder ao alarmismo e ao pânico. Os estados emocionais em que a emoção quase imobiliza a razão, podem bloquear o pensamento e levar-nos a agir de forma irracional e inconsequente.

Estamos a viver uma situação que nos interpela a cada minuto pela nossa condição de cidadãos e de pertença a uma comunidade, o Concelho da Lourinhã.

A situação atual exige de todos nós, sem exceção, um elevado espírito cívico e sentido da solidariedade, socialmente responsável, na compreensão de que todos somos responsáveis por todos e ninguém poderá ser deixado para trás, seja quem for.

Enfrentamos, neste momento e nos próximos tempos o inimigo Covid-19, mas também outros oportunistas da fragilidade de cada um, o cansaço, o desânimo, a irritação…. Apelo ao melhor de cada um de nós, porque o melhor de cada um, será o melhor para todos.

No campo de batalha só pode haver um general. Este é um facto que Bonaparte assumiu, e foi sem dúvida um dos seus segredos de sucesso no campo de batalha. Porém, hoje somos arrasados por “centenas de generais”, que debitam o que acham e não acham, influenciando quem tem a mesma opinião, e criando crispação em quem discorda ou simplesmente não gosta da cor política que o autor representa. Estamos efetivamente em guerra, e temos de estar todos juntos!

Acreditem e confiem no trabalho que, a todos os níveis, está a ser feito para enfrentarmos este desafio. É fundamental gerir bem a informação e comunicar de forma clara, simples e tão objetiva quanto possível. Mas também é muito importante continuar a tomar medidas assertivas de contingência e prevenção que nos permitam ter o controlo possível sobre a evolução dos acontecimentos.

Por uma vez, dê-se ouvidos às autoridades, que por esta altura têm as redes de informação com os seus pares já criadas, e como tal têm mais informação que os demais “comentadores”. Neste caso faz toda a diferença, e não deve haver debate e discussão, principalmente em fóruns cujo objetivo é criar confusão e distorcer uma realidade que se altera hora a hora, e como tal não é clara, até para quem tem toda a informação.

Somos todos convocados para o combate efetivo, a Câmara Municipal, as Juntas de Freguesia, as instituições, as empresas, as aldeias, as vilas, os cidadãos, as famílias, “Temos de fazer o que tem de ser feito”. JUNTOS SEREMOS MAIS FORTES! Usaremos a Serenidade, a Sabedoria, a Inteligência, a Responsabilidade e a Solidariedade, “TODOS POR UM E UM POR TODOS”.

Aos Profissionais de Saúde, aos Bombeiros, à Proteção Civil, à GNR e a todos aqueles que, nos diversos setores mantém o nosso Concelho a funcionar, garantindo o que é necessário a cada um de nós, envio um “ABRAÇO DE GRATIDÃO” e de solidariedade.

Termino apelando à comunidade do Concelho da Lourinhã para que procure manter a calma, agindo com discernimento e responsabilidade, fazendo tudo quanto estiver ao seu alcance para proteger, os nossos seniores, as nossas crianças e as pessoas que, por algum motivo, se enquadram no grupo das mais vulneráveis. FIQUEM EM CASA!

António Alberto de Carvalho Santos