Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Turismo do Centro vai criar programa que alia património mundial às cidades criativas que envolve o Oeste

TCP 1

A Turismo do Centro quer avançar com um novo programa no próximo quadro comunitário que alie os quatro lugares classificados como Património Mundial às cinco cidades criativas da região.

A Turismo Centro desenvolveu nos últimos três anos o programa Lugares Património Mundial, assente no património edificado classificado (Tomar, Coimbra, Batalha e Alcobaça), com um orçamento de três milhões de euros para desenvolver várias ações de cariz cultural.

Para o próximo quadro comunitário, a entidade quer avançar com um programa semelhante que junte esses quatro lugares às cinco cidades criativas com a chancela da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) na região Centro - Óbidos, Leiria, Caldas da Rainha, Idanha-a-Nova e Covilhã -, anunciou hoje o presidente da Turismo do Centro, Pedro Machado, que falava aos jornalistas em Coimbra, no âmbito das comemorações do Dia Mundial do Turismo, que se celebra na terça-feira.

“Consolidado que está o ‘Lugares Património Mundial’, queremos somar”, vincou, dizendo acreditar que os nove lugares com a chancela da UNESCO permitirão à região ser “mais competitiva”.

Pedro Machado apontou para o exemplo de Coimbra, que desde que foi classificada como Património Mundial “cresceu em média 20% face àquilo que era o número registado desde então”. “Queremos continuar a crescer e a UNESCO tem um papel fundamental na credibilidade. Sendo cidades criativas, estamos a juntar uma outra camada”, aclarou.

Segundo Pedro Machado, este programa já foi discutido com a presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, Isabel Damasceno. A ideia é a de apresentar uma proposta ao próximo quadro comunitário até ao final do ano.

Texto: ALVORADA com agência Lusa