Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Assembleia Municipal de Torres Vedras exige Unidade de Cuidados Intensivos no hospital público da cidade

Hospital de Torres Urgencia

A Assembleia Municipal de Torres Vedras aprovou por unanimidade, hoje de madrugada, uma moção em que exige a instalação de uma Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) na unidade local do Centro Hospitalar do Oeste (CHO).

"A Assembleia Municipal de Torres Vedras vem exigir que o CHO seja incluído na Rede Nacional de Especialidade Hospitalar e Referenciação de Medicina Intensiva e que a respetiva UCI seja instalada no Hospital de Torres Vedras, com o número de camas necessárias à sua realidade", refere a moção aprovada apresentada pelo Partido Socialista.

O documento sublinha que o CHO é o único centro hospitalar do país que não dispõe de uma Unidade de Cuidados Intensivos. A moção refere que existem "dificuldades na prestação de cuidados de saúde" resultantes da "escassez de recursos humanos" e da "não existência de uma Unidade de Cuidados Intensivos".

Além de dispor de uma urgência médico-cirúrgica, o hospital de Torres Vedras centraliza a actividade do CHO nas valências de Cirurgia, Medicina Interna, Ortopedia e internamento Covid-19. O hospital público de Torres Vedras tem um total de 197 camas de internamento, de um universo de 331 em todo o CHO, que gere também os hospitais das Caldas da Rainha e de Peniche do SNS - Serviço Nacional de Saúde. Devido à criação da área de internamento Covid-19, dispõe ainda de equipamentos de UCI, entre os quais ventiladores invasivos, que estão "subaproveitados", uma vez que apenas realizam ventilação externa, lê-se na moção.

Os deputados municipais torrienses alertam que a transferência de um doente para uma UCI de outro hospital obriga ao acompanhamento do doente por um médico e um enfermeiro, que "estarão ausentes do serviço entre três horas, se for para Lisboa, até 12 horas, se for para uma unidade do Norte ou do Sul do país" e a sua ausência "amplia as dificuldades na prestação dos cuidados de saúde" aos utentes. Por outro lado, consideram que a falta de uma UCI no CHO "vem sobrecarregar" outros hospitais.

Nos últimos cinco anos, refere a moção, foram transferidos para UCI de outros hospitais 2.000 doentes e, entre Janeiro e 15 de Março deste ano, 53 infectados com Covid-19.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Sofia de Medeiros/ALVORADA (arquivo)