Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Peniche: Museu da Resistência e Liberdade com exposição sobre Aristides de Sousa Mendes

Museu da Resistencia Peniche

O Museu Nacional da Resistência e da Liberdade, na Fortaleza de Peniche, abre ao público na terça-feira a sua primeira exposição internacional, dedicada a Aristides de Sousa Mendes, anunciou a Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC). Intitulada ‘Candelabro - Aristides de Sousa Mendes: o exílio da vida’, a exposição é possível ser vista a partir do dia 27, data simbólica da libertação, em 1974, dos presos políticos da antiga cadeia na Fortaleza de Peniche.

Da exposição faz parte uma vídeo-escultura, obra contemporânea de grande porte que interpreta o dilema de Aristides de Sousa Mendes nos dias anteriores à decisão que salvaria milhares de vidas do terror nazi. A peça é de autoria de Werner Klotz, artista residente na cidade alemã de Berlim que se tem notabilizado no domínio da arte pública.

Numa parceria entre a DGPC, a Fundação Sousa Mendes, de Nova Iorque, nos Estados Unidos da América, o Comité Sousa Mendes, da cidade francesa de Bordéus, a exposição constitui-se como uma "homenagem em torno do justo reconhecimento de um resistente e de um herói" e "uma evocação do legado" de Aristides de Sousa Mendes, refere a DGPC em nota de imprensa. A mostra resulta da união de pessoas e vontades de Portugal, França, Alemanha, Estados Unidos da América e Canadá.

Em 1940, em plena II Guerra Mundial, Aristides de Sousa Mendes, cônsul português em Bordéus, "perante o desespero dos refugiados que fugiam do avanço das tropas alemãs, decidiu agir de acordo com a sua consciência e valores, desobedecendo às ordens que recebera do Governo chefiado por Oliveira Salazar e assinando milhares de vistos para Portugal". "Aristides de Sousa Mendes foi proscrito até à morte pelo regime fascista. A grandeza do seu gesto seria reconhecida pelo Estado Português em 1988, ao ilibar a sua memória e repor o seu estatuto de diplomata. A 3 de Abril de 2017, dia do aniversário da sua morte, Portugal atribui a Aristides de Sousa Mendes a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade. Mais recentemente, em Junho de 2020, o Parlamento vota por unanimidade que lhe sejam concedidas honras de Panteão Nacional", lembra o comunicado da DGPC.

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, é esperada no próximo dia 25 de Abril, pelas 11h00, para inaugurar oficialmente esta exposição na Fortaleza de Peniche, num evento mais restrito devido à pandemia.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Paulo Ribeiro/ALVORADA (arquivo)