Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: Hospitais do Oeste com menos 30% de afluência nas urgências

CHO logoA afluência às urgências dos hospitais de Torres Vedras e Caldas da Rainha de cidadãos infectados pela Covid-19 ou com sintomas suspeitos baixou 30%, disse hoje a presidente do Conselho de Administradora do CHO - Centro Hospitalar do Oeste. "Temos tido bastante menos afluência às urgências", afirmou Elsa Baião, que quantificou essa redução por comparação às últimas semanas.

Devido a vários surtos em lares da região, a urgência hospitalar de Torres Vedras foi das primeiras do país a registar, em Janeiro, filas de mais de 10 ambulâncias em espera. Nas enfermarias dedicadas à Covid-19 em Torres Vedras e Caldas da Rainha, estão hoje ocupadas 134 das 142 camas existentes, motivo pelo qual o CHO deixou de transferir doentes para outros hospitais. Na quarta-feira, o internamento dedicado à Covid-19 ainda estava todo lotado. O CHO não possui unidade de cuidados intensivos, o que obriga também a transferir doentes mais críticos para outras unidades.

Nos últimos meses, a capacidade de internamento para doentes Covid-19 aumentou, tendo atingido as 142 camas (80 em Torres Vedras e 62 nas Caldas da Rainha), o que representa 59% de todo o internamento nas duas unidades. O aumento da área de internamento para doentes Covid-19 nos dois hospitais só foi possível porque "há menos doentes não-covid do que noutros períodos", explicou Elsa Baião. "A maioria são camas cirúrgicas e, como não há cirurgias, os doentes ocupam menos camas", explicou. Uma vez que as consultas e as cirurgias programadas estão suspensas, também os profissionais afectos a esses serviços têm sido "deslocados e as equipas ajustadas de acordo com as necessidades".

O CHO apelou para que os cidadãos se dirijam de preferência aos centros de saúde da região de modo a que os hospitais respondam apenas a casos de doença aguda. Recorde-se que devido à falta de profissionais de saúde, o CHO ainda não conseguiu abrir uma enfermaria para doentes não-Covid no Hospital de Peniche.

Texto: ALVORADA com agência Lusa.