Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

‘Hora do Planeta’: Município da Lourinhã associou-se ao movimento global contra as alterações climáticas

horadoplaneta2022

Este sábado, dia 26 de Março, celebra-se a Hora do Planeta das 20h30 às 21h30. O Município da Lourinhã aderiu a este movimento global contra as alterações climáticas, que une milhões de pessoas em todo o mundo para mostrarem o seu compromisso com o Planeta.

Deste modo, a autarquia assume o compromisso de desligar as luzes do edifício dos Paços do Concelho durante a ‘Hora do Planeta’, entre as 20h30 e as 21h30. No âmbito do projecto de recuperação ambiental do cordão dunar, passadiços, estacionamento e acessos, o município vai aplicar lâmpadas Led, em spots próprios de encastre no pavimento, alimentadas a partir de painéis fotovoltaicos.

Também neste âmbito, irá implementar um sistema para melhoria da eficiência hídrica e operacional dos serviços de abastecimento de água, no contexto da implementação do Plano de Redução de Perdas de Água.

Durante a ‘Hora do Planeta’, serão ainda desligados, por 60 minutos, os lumens de 175 candeeiros públicos existentes na vila da Lourinhã.

Esta iniciativa da WWF - World Wide Fund for Nature nasceu em 2007, em Sidney, na Austrália, quando 2,2 milhões de pessoas e mais de 2 mil empresas apagaram as luzes por uma hora numa tomada de posição contra as alterações climáticas. Este ano, juntam-se pelo restauro da natureza.

Ano após ano, a ‘Hora do Planeta’ tem vindo a crescer para se tornar num movimento de sustentabilidade global com mais de 3,5 mil milhões de pessoas em 192 países e territórios a mostrarem o seu apoio a esta causa ao desligarem simbolicamente as suas luzes.

‘Move-te pela Natureza’ é o desafio que a ‘Hora do Planeta’ lança este ano à população, unida à campanha europeia com o mesmo objectivo. “Neste momento, não basta proteger a natureza - é essencial restaurar o que já destruímos. Proteger o que está intacto e recuperar o que está degradado são dois lados da mesma moeda”, refere a WWF Portugal.

Texto: ALVORADA