Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Delegação da Lourinhã da CVP recebeu nova viatura doada pelo empresário Mapril Batista

viaturadoadacvp

A delegação da Lourinhã da Cruz Vermelha Portuguesa foi contemplada com um VDTD - Veículo Destinado ao Transporte de Doentes não-urgentes, oferecido em Dezembro pelo empresário lourinhanense Mapril Batista, através da sua empresa ‘Les Dauphins’, localizada em França. No passado dia 11, dia em que a Cruz Vermelha Portuguesa assinalou o seu 157º aniversário, a delegação apresentou publicamente este novo meio de transporte através das redes sociais.

Esta viatura, segundo o presidente da delegação lourinhanense, “será importantíssima para os transportes de emergência social (TES) e para os transportes de vítimas de violência doméstica (TVVD), situações para que somos solicitados quase diariamente”, disse Carlos Oliveira.

Radicado há vários anos em França, Mapril Batista é o presidente do grupo ‘Les Dauphins’, o maior fabricante de ambulâncias naquele país. É ainda proprietário da empresa ‘Capsud’, que adapta as viaturas para ambulância, localizada em Aveiro, onde este novo veículo esteve para ser adaptado para a legislação portuguesa.

A decoração exterior do mesmo ficou a cargo da empresa de design e publicidade ‘Portefólio’, da Lourinhã. Recorde-se que em Março de 2019, Mapril Batista ofereceu a esta delegação uma ambulância de socorro pré-hospitalar (emergência).

Na sua página do Facebook, a delegação da Lourinhã da Cruz Vermelha Portuguesa manifestou o seu agradecimento “ao lourinhanense Comendador Mapril Baptista e à Capsud/Les Dauphins pela oferta que nos permitirá servir mais e melhor quem necessita”.

Para além destas duas viaturas, a delegação lourinhanense possui ainda um ‘jeep’ antigo, comprado em segunda mão a uma corporação de bombeiros e que serve apenas para o transporte dos voluntários nas deslocações para os locais dos eventos. “Dado que somos todos voluntários, ficando a disponibilidade reduzida aos fins-de-semana e a horário pós-laboral, salvo casos pontuais, a frota chega para as necessidades actuais”, explicou Carlos Oliveira.

Texto: ALVORADA
Fotografia: Direitos Reservados