Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Autárquicas-Lourinhã: ex-candidato Hernâni Santos explica divergências e repõe factos no processo autárquico do PSD

eleicoes autarquicas de 2021

Divergências políticas profundas entre o militante e candidato autárquico indigitado Hernâni Santos e a Comissão Política do PSD/Lourinhã, presidida por Mafalda de Taborda Lourenço, estão na base da aprovação, pelo PSD/Área Oeste, do empresário Orlando Carvalho como cabeça-de-lista do partido à CML, cuja apresentação oficial ocorreu esta quarta-feira, em Lisboa, pelo secretário-geral do partido José Silvano, conforme foi noticiado pelo ALVORADA.

Rectificando e procurando clarificar a notícia avançada pelo nosso jornal sobre este processo, Hernâni Santos veio agora dar a sua versão dos acontecimentos, sublinhando que recebeu o convite da Comissão Política do PSD/Lourinhã para liderar a lista à Câmara Municipal nas próximas eleições autárquicas. A informação foi dada pelo próprio ao ALVORADA, por escrito, após o seu nome e de outros dois militantes lourinhanenses terem integrado uma sondagem que foi realizada no nosso concelho a pedido do partido. Face ao resultado obtido, “apresentei disponibilidade de forma condicionada” para ser o candidato, e, nesse sentido, realizou contactos com o objectivo de constituir as listas de candidatos, “tendo em consideração a única restrição transmitida pela concelhia, referente ao acordo com o CDS/PP” para o estabelecimento de uma coligação eleitoral.

O também vereador social-democrata no actual executivo camarário explica que, entretanto, indicou para sua lista ao executivo vários nomes de pessoas “que estão envolvidas há vários anos na vida autárquica em nome do PSD, mantendo todas as indicações transmitidas pela Comissão Política em relação às juntas de freguesia”. Contudo, garante que, neste ponto do processo, foi então transmitido pela presidente da concelhia Mafalda Taborda de Lourenço “que só aceitaria” a lista, “se o seu nome fosse indicado em lugar legível à Câmara, pretendendo alterações na constituição das listas à Câmara e à Assembleia Municipal”. Face a esta condição, e após reunir com os elementos propostos por si para as listas, “na presença de membros da concelhia”, Hernâni Santos garante que “os potenciais candidatos presentes demonstraram disponibilidade para integrar a presidente da Comissão Política na equipa, mas em lugar diferenciado”. Ou seja, recusaram Mafalda de Taborda Lourenço para um lugar elegível na lista ao executivo camarário.

Ainda segundo a missiva de Hernâni Santos enviada ao nosso jornal, garante que não efectuou “qualquer contacto nas costas da estrutura concelhia”, foi-lhe dado posteriormente a conhecer que “a presidente da Comissão Política propôs como candidato a presidente de câmara o nome proposto pelo CDS”, Pedro Antunes, que foi votado pela estrutura local social-democrata para ser o cabeça-de-lista da coligação eleitoral e comunicada posteriormente ao órgão distrital liderado por Duarte Pacheco.

Após a “não-ractificação por duas vezes da candidatura da Comissão Política de secção” pela Comissão Política do PSD/Oeste, Hernâni Santos - que é também vice-presidente deste órgão distrital - viu aqui ser aprovado o seu nome como candidato à Câmara Municipal da Lourinhã por ser “o melhor colocado na sondagem” e “porque era essa a indicação da Comissão Política Nacional”, explica. “A minha aceitação desta votação realizada no âmbito da distrital ficou condicionada ao contacto com a presidente da Secção do CDS da Lourinhã, no sentido da manutenção da coligação autárquica e reunião com a Comissão Política de secção da Lourinhã”. Garante ainda que foi efectuado contacto com a estrutura centrista liderada por Paula Marinho e “ficou acordado existir condições para a manutenção da coligação depois dos órgãos locais e distritais do PSD convergirem no nome do candidato”. Já quanto à reunião com o PSD/Lourinhã, justifica que “não foi possível ser realizada porque a presidente de secção não apresentou disponibilidade, mediante solicitação do vice-presidente da distrital João Paulo Reis, e do presidente da Assembleia de Secção da Lourinhã, Carlos Santos”.

A fita do tempo deste processo apresentada por Hernâni Santos revela ainda que teve posteriormente conhecimento da reunião da Comissão Política do PSD/Lourinhã no passado dia 1, “data posterior ao pedido de agendamento da reunião” por si solicitado, “contradizendo a indisponibilidade” da presidente Mafalda de Taborda Lourenço para o encontro. Soube, entretanto, pelo presidente da Mesa da Assembleia, que “não estavam reunidas as condições, num curto espaço de tempo, para confirmar a vinculação da proposta de candidatura votada pela distrital, no período que antecede a reunião da Comissão Política Nacional para ractificação dos candidatos a presidentes de câmara”, pelo que assim “não estavam reunidas as condições para aceitar a votação que me vinculou como candidato” nas próximas eleições autárquicas.

Conclui Hernâni Santos que “não existiu capacidade do órgão do PSD, de proporcionar as condições adequadas para que o processo de decisão autárquico na Lourinhã ocorra com responsabilidade, competência e equidade”, sendo esta a razão que explica que tenha ‘caído’ a sua candidatura na estrutura distrital e surgisse na equação outro candidato que acabaria por ser nomeado pelo partido. Numa crítica à Comissão Política do PSD/Lourinhã, que, entretanto, se demitiu em bloco em sinal de protesto pela decisão da estrutura distrital que nomeou Orlando Carvalho como candidato à CML, frisa que “transformaram a divergência de opinião num facto jornalístico público e arrastaram o nome das estruturas do partido e dos envolvidos para a discussão pública, constituindo uma séria ameaça ao trabalho político partidário da secção da Lourinhã, distrital Área Oeste e Comissão Política Nacional, ao trabalho dos autarcas eleitos, aos militantes e aos resultados autárquicos de 2021”.

Entretanto, está agendada para esta sexta-feira à noite uma assembleia de militantes do PSD/Lourinhã, solicitada pela comissão política demissionária, onde vai ser analisado este conturbado processo autárquico que vai ser conduzido directamente pelo PSD/Área Oeste.

Texto: ALVORADA