Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Turismo Militar’ na Lourinhã: Primeira sessão do webinar ‘Turismo, Património e Inovação’

webinarturismojdpm

Decorreu esta terça-feira a primeira sessão do webinar ‘Turismo, Património e Inovação’, sob o tema ‘Turismo Militar’, uma organização do Município da Lourinhã, em parceria com a Associação para a Memória da Batalha do Vimeiro e com o Aspiring Geoparque Oeste.

A sessão de abertura ficou a cargo do presidente da Câmara Municipal da Lourinhã que referiu, na ocasião, que o Turismo Militar tem sido uma das apostas fortes da edilidade através do trabalho desenvolvido pelo Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro. “Partindo do estudo, preservação, salvaguarda do património, material e imaterial da Batalha do Vimeiro, têm sido desenvolvidas dinâmicas culturais e turísticas fundamentais para a activação desta temática e criação e consolidação de um produto turístico”, destacou João Duarte Carvalho.

O autarca sublinhou que esta sessão decorreu enquadrada no ciclo de ‘webinars ‘‘Turismo, Património e Inovação’ que têm como objectivo “debater dois temas estratégicos para o território da Lourinhã: o Turismo Militar e o Turismo Paleontológico”. Inserem-se no âmbito da execução da candidatura à Linha de Apoio à Sustentabilidade do Turismo de Portugal. “Assumem-se como dinamizadores do crescimento do turismo da Lourinhã nos próximos anos”, concluiu.

Esta sessão ‘online’ contou com as intervenções de Francisco Marques, director de Serviços de Infraestruturas e Património do Ministério da Defesa Nacional e Teresa Ferreira, directora do Departamento de Dinamização da Oferta e dos Recursos do Turismo de Portugal.

Cada um dos painéis contou com mais de uma centena de participantes. O painel I, dedicado a ‘Projectos de Turismo Militar, Criação e Estruturação de Produto Turístico’, foi moderado por Mafalda Nascimento, secretária-geral da Ordem dos Pobres Cavaleiros do Templo de Jerusalém e teve como temas ‘A Rede Temática das Invasões Francesas’, por Jorge Brito, secretário executivo da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra; ‘A Rota Histórica das Linhas de Torres’, por Ana Umbelino, vice-presidente da Associação para o Desenvolvimento Turístico e Patrimonial das Linhas de Torres; ‘O Roteiro de Turismo Militar da Guerra Peninsular’, por Lígia Mateus, secretária geral da Associação de Turismo Militar Português; e ‘Marcos Históricos - Invasões Francesas: A encruzilhada do Bussaco’, por Diogo Carvalheira, técnico superior do Município de Penacova.

Da parte da tarde realizou-se o painel II intitulado ‘O papel da Recriação Histórica no âmbito do Turismo Militar’, moderado por Luís Albuquerque, ex-director do Museu Militar de Lisboa, que contou com as temáticas ‘A Associação Napoleónica Portuguesa, da génese à actualidade’, por José António Faria e Silva, presidente da Associação Napoleónica Portuguesa e vice-presidente da Associação Portuguesa para a preservação e estudo de Armas Históricas; e ‘O impacto das Recriações Históricas em Portugal - Impactos e Perspectivas’, por Roberto Carlos Reis, professor associado no Instituto Universitário da Maia - ISMAI e investigador do CEGOT (Centro de Estudos Geográficos e Ordenamento do Território).

Por fim, o painel III ‘Inovação e Transformação Digital’ foi moderado por Ana Garcia, presidente da direcção da Accessible Portugal onde se debateu ‘Museus, património e inovação: tendências e perspectivas’, pela lourinhanense Ana Carvalho, investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora; e ‘Formas inovadoras de comunicar o património, ensinando e aprendendo com recursos digitais’, Sara Barriga, grupo de projecto Museus no Futuro e sub-comissária do Plano Nacional das Artes.

Coube ao presidente da Entidade Regional de Turismo do Centro, Pedro Machado, encerrar esta primeira sessão, afirmando que a actividade turística não é tão antiga do ponto de vista académico, do estudo e da produção de conhecimento científico, ainda tem muitos passos a dar, “e esta é uma extraordinária oportunidade para criar bons produtos turísticos, aproveitando os nossos recursos e estamos aqui com recursos extraordinários com uma carga histórica elevadíssima”.

Para Pedro Machado, o turismo associado ao património e à história e a tudo aquilo que isso pode representar “são verdadeiros pilares que hoje queremos criar também no Turismo Centro de Portugal”. O turismo cultural é, segundo o presidente da Entidade Regional de Turismo do Centro uma indústria apelativa para cidades e regiões “que naturalmente pode e deve causar impactos na comunidade local”, concluiu.

O segundo webinar realiza-se esta sexta-feira, dia 12, e terá como tema ‘Paleontologia’. A inscrição pode ser efectuada em www.cm-lourinha.pt.

Texto: ALVORADA
Fotografia: Direitos Reservados