Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Login

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

DIÁSPORA-COVID-19: testemunho de Paulo Fernandes, de Ribamar, residente na Alemanha

paulofernandes

Como está a viver a Diáspora da Lourinhã este novo tempo, em que o centro das atenções é a pandemia da Covid-19? O ALVORADA iniciou a partilha de testemunhos de vida dos emigrantes lourinhanenses que se encontram espalhados pelos quatro cantos do mundo.

Neste tempo difícil que todos atravessamos, com uma pandemia que reduz ao máximo o contacto entre todos, queremos desta forma manter bem vivo o que nos une. Queremos contribuir para que quem esteja longe, fique mais perto de nós, na Lourinhã.

Partilhe e, caso tenha algum familiar e amigo que queira que o contactemos, para aqui deixar o seu testemunho, envie-nos mensagem pelo nosso Facebook ou para o endereço electrónico Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..

Fique em segurança. Cuide de si e dos outros!

Este 25º testemunho é de Paulo Fernandes, de Ribamar e residente na província de Baden-Württemberg, na Alemanha. Com 54 anos, é casado e tem dois filhos.

Vivo na província de Baden-Württemberg, em Grafenau, uma pequena localidade com cerca de 6.500 habitantes. Trabalho na fábrica de automóveis Mercedes, em Sindelfingen, uma cidade com 65.000 habitantes. Actualmente estamos parados desde 20 de Março e só podem sair duas pessoas juntas, para fazer compras ou dar uma pequena volta. Por enquanto há quase tudo no supermercado e nota-se realmente que as pessoas estão e ficam em casa. Estivemos recentemente numa cidade a 70 quilómetros de onde vivo e que tem cerca de 125.000 habitantes e aí notámos porque conheço bem a cidade e está parada. Não havia quase ninguém na rua. Trata-se da cidade de Heilbronn.

Por enquanto o que notamos são alguns dos habituais encontros ao fim-de-semana com amigos portugueses e que agora não podem acontecer. Temos que entender que é pela saúde de todos, devemos ficar em casa e, claro, dar uma pequena volta mas só a dois. A todos os que me conhecem e para todos os portugueses peço que fiquem em casa e esqueçam os grupos e festas em família por enquanto. Saúde a todos.