Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Presidente da República saúda "dinâmica" da agricultura portuguesa na Feira Nacional em Santarém

Marcelo Feira Santarem 2022 Lusa

O Presidente da República saudou hoje o “salto” dado pela agricultura portuguesa nos últimos anos e disse ser “muito motivador” poder tirar-se proveito da dinâmica do sector num momento em que existe uma guerra.

Marcelo Rebelo de Sousa inaugurou hoje a 58.ª Feira Nacional da Agricultura/68.ª Feira do Ribatejo, que decorre até dia 12 no Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas (CNEMA), em Santarém, chefiando uma comitiva que integrou a ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes.

Instado a comentar declarações da ministra sobre a intenção de Portugal duplicar a sua produção de cereais, Marcelo disse que essa aposta “é uma boa notícia”, porque o país tem condições e “porque há uma situação e um contexto envolvente que convida a isso”.

Falando aos jornalistas a meio da visita à Feira da Agricultura, depois de cerca de duas horas de contactos com expositores e agricultores, o Presidente afirmou encontrar um certame “mais forte, mais virado para o futuro, mais dinâmico”, referindo-se à forte presença da tecnologia.

Este ano subordinada ao tema ‘Bem-vindo ao futuro’, a Feira Nacional da Agricultura (FNA) dá destaque à inovação e à tecnologia, dedicando o espaço dos claustros a uma mostra de exemplos do uso, pelo setor, da biotecnologia, da robótica e da inteligência artificial. Para Marcelo, a evolução patente no certame deve-se, “em muito, ao mérito” dos agricultores e daqueles que os representam.

Além da presença de empresas da fileira agrícola e da exposição de raças autóctones, a FNA dedica um dos seus pavilhões a uma mostra do “melhor da produção nacional”, com realização de provas de degustação, dispondo, ainda, de espaços de restauração e momentos de reflexão e debate sobre temáticas agrícolas.

O programa inclui provas equestres, largadas de toiros, desfiles de campinos, animação com ranchos folclóricos e concertos musicais.

Portugal quer mais que duplicar produção nacional de cereais

A ministra da Agricultura disse hoje, em Leiria, que Portugal tem uma estratégia para mais que duplicar a produção nacional de cereais que os portugueses consomem, acreditando que não haverá escassez do produto no país. “Portugal produz actualmente 18% dos cereais que consome. Há uma estratégia para aumentar até 38%. Portugal não tem condições naturais, de solo e de clima, para poder ser competitivo com outras geografias, nomeadamente até ao nível da Europa”, adiantou Maria do Céu Antunes, que esteve hoje na inauguração do Mercado Municipal de Leiria.

Segundo a governante, o objectivo é “aumentar a autonomia estratégica”, que acredita ser possível “através de um conjunto de investimentos” que irão “estimular os agricultores a fazer, seja do ponto de vista da inovação, do desenvolvimento tecnológico, para melhorar a qualidade dos solos, que são pobres, seja para a disponibilização de água”, para haver “cereais regados”. O Governo irá ainda disponibilizar um apoio financeiro “para que estes produtores possam fazer esta opção quando tiverem que fazer as suas sementeiras”.

Maria do Céu Antunes disse também que foram encontrados mercados alternativos à Ucrânia para a importação de cereais, nomeadamente América do Norte, América do Sul e África do Sul: “neste momento, estão garantidas as condições para não haver falhas nos nossos 'stocks' e no abastecimento de cereais em Portugal".

A ministra explicou que a aposta no sector primário é o “grande desígnio” e referiu que Portugal tem vindo a “equilibrar um desequilíbrio que é estrutural da balança comercial”. “Mesmo durante a pandemia, as exportações portuguesas continuaram a aumentar a um ritmo de 5% ao ano, semelhante ao que vinha a acontecer nos últimos dez anos. E já no primeiro trimestre deste ano, as exportações do complexo agroalimentar subiram mais de 13%, sem deixar de alimentar os portugueses, pese embora também as importações vão crescendo, mas crescem a um ritmo menor, o que tende a equilibrar esta balança comercial”, sublinhou.

A ministra anunciou que a partir de Janeiro de 2023, haverá um “novo pacote financeiro com regras novas para estimular precisamente a agricultura e a transformação em Portugal”. “O que queremos verdadeiramente é, não só promover o rejuvenescimento do sector, mas ajudar os nossos agricultores a fazerem uma transição agroambiental, ou seja, utilizar a tecnologia e o conhecimento para produzir mais, usando menos recursos e com isso ganharem também competitividade”, disse.

Ao visitar o novo mercado de Leiria, Maria do Céu Antunes salientou o papel do cidadão, que é quem "faz a escolha alimentar" e que, por isso, pode “promover o sector agrícola”. “Por isso, a necessidade de ter esta aposta, o cidadão e o território, para podermos estimular a pequena agricultura e uma agricultura também mais competitiva. Os produtores fazem um trabalho de excelência, que temos de otimizar e incentivar para continuarem a fazer este trabalho fantástico que tem contribuído para alimentar Portugal, a Europa e o Mundo. A excelência dos nossos produtos tem o reconhecimento não só nacional, mas também internacional”, rematou.

No final da visita, Maria do Céu Antunes recebeu uma carta de um dos elementos da União dos Agricultores do Distrito de Leiria, que expõe alguns dos problemas do setor nomeadamente, os altos custos de produção, com o aumento dos adubos, rações, fitofármacos, electricidade e combustíveis, assim como o escoamento da produção agrícola e florestal a baixos preços.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Direitos Reservados