Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: Sector dos casamentos quer rastreios a convidados para retomar actividade em Abril

Covid 19

O Movimento de Empresas do Setor do Casamento (MESC) quer retomar a actividade em Abril, depois de um ano “praticamente parada”, com a realização de testes à Covid-19 a convidados para a concretização das bodas. “A realização de teste ou demonstração de teste negativo a menos de 72 ou 24 horas (consoante o teste utilizado) será requisito para a realização do casamento”, propõe o movimento, em comunicado.

A identificação de pessoas infectadas vai impedir que estas vão ao casamento, evitando que possam ser transmissoras do vírus a convidados e funcionários, sublinhou. Desta forma, os espaços onde se organizam os casamentos passam a ser “parte activa” na testagem, identificação, comunicação e isolamento de infectados, frisou.

Além da realização de testes, o movimento defende a recolha dos contactos telefónicos de todos os convidados por parte do espaço onde acontece o casamento e a sua comunicação à Direcção-Geral da Saúde (DGS) em caso de ocorrência de um surto. “Estas soluções vão permitir resolver de uma forma efectiva o isolamento de indivíduos infectados e de todos aqueles que estiveram em contacto”, salientou, na nota de imprensa.

O movimento lembrou que o período de paragem é já “extremamente longo” e está a pôr em causa a sobrevivência de grande parte das empresas destes scetores, nomeadamente hotelaria, cultura e serviços. Falando num sector “altamente sazonal”, o movimento alertou que, com as restrições impostas, se perdeu 83,2% da actividade de 2020.

“Apesar de ter sido legalmente viabilizada a actividade do sector, a imposição de todas as medidas restritivas, bem como o clima generalizado de medo e desconfiança fez com que mais do que 80% dos casamentos agendados em 2020 fossem reagendados para 2021 ou cancelados”, indicou.

Esta situação obrigou, por um lado, as empresas a cumprir com os contratos dos clientes que quisessem realizar os eventos e, por isso, a abdicar de regimes como o ‘layoff’ e, por outro lado, entrar em litigância com clientes, ressalvou.

Segundo dados disponibilizados pelo Movimento de Empresas do Sector do Casamento, esta indústria movimenta cerca de quatro mil milhões de euros e representa 2% do Produto Interno Bruto (PIB). Além disso, deste sector dependem sete mil empresas e 150 mil pessoas, acentuou.

Em Portugal, morreram 15.897 pessoas dos 796.339 casos de infecção confirmados de Covid-19, de acordo com o boletim mais recente da Direcção-Geral da Saúde.

Texto: ALVORADA com agência Lusa