Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Login

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Novo Hospital do Oeste: OesteCIM inicia nova etapa de negociações com o Governo

autarcas do Oeste com ministra da saude 1

A OesteCIM - Comunidade Intermunicipal do Oeste encetou hoje o diálogo com a ministra da Saúde para dar seguimento ao processo de construção do novo hospital para servir a nossa região. Aproveitando a presença de Marta Temido, que acompanhou o Primeiro-Ministro António Costa da cerimónia de inauguração do novo Centro de Saúde do Cadaval, os autarcas oestinos compareceram em peso e conversaram com a responsável sobre o mais importante investimento na área da saúde que a região anseia há vários anos e que seja assumida uma metodologia de trabalho para alcançar este objectivo.

O presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras revelou ao ALVORADA que está aprazada uma reunião a curto prazo com a governante para analisar este processo. “Estamos a fazer um trabalho sólido no nosso território, a apostar essencialmente nos cuidados primários que é a base de tudo, e agora também a perspectivarmos investimentos, alguns dos quais já em execução no Hospital das Caldas da Rainha. Vai ser lançado o concurso para melhorar o Serviço de Urgências do Hospital de Torres Vedras”, destacou Carlos Bernardes. O futuro, acredita, é criar as condições para a construção do novo Hospital do Oeste, estando confiante na plataforma de entendimento entre os 12 autarcas para o consenso em torno da localização deste empreendimento, tendo em conta que nesta matéria “não estamos em pé de igualdade com as outras regiões”.

O Governo não se compromete com a construção do futuro Hospital do Oeste até final da legislatura. Para a ministra da Saúde foi muito importante a passagem recente do CHO - Centro Hospitalar do Oeste para Entidade Pública Empresarial, tendo em conta que era um dos poucos centros hospitalares do país que ainda tinha o estatuto do sector público administrativo tradicional. “O que se está a fazer é sedimentar o modelo organizacional de empresarialização do CHO. Isso não prejudica que haja uma expectativa destas comunidades relativamente a infraestruturas novas. Mas isso é um caminho que terá de ser percorrido em termos de localização, carteira de serviços e de investimento. Há um conjunto de trabalhos que vamos começar a desenvolver relativamente a essa expectativa e necessidade que é o Centro Hospitalar do Oeste”, garantiu Marta Temido aos jornalistas. A governante classificou o trabalho que tem sido desenvolvido com os autarcas “como muito gratificante” para o Ministério da Saúde porque tem sentido “um grande apoio” e que muitos dos investimentos que têm surgido nesta área resultam da constituição de “boas parcerias”. “Vamos continuar a conversar com os autarcas para perceber de que forma o Poder Central e autarquias locais podem fazer melhor um melhor trabalho para as necessidades assistenciais das populações”, concluiu.

O novo Centro de Saúde do Cadaval, que entrou em funcionamento no sábado, foi baptizado com o nome do ‘pai’ do Serviço Nacional de Saúde, António Arnault, por decisão da Câmara Municipal, que mereceu um elogio público do Primeiro-Ministro António Costa. Esta obra representa um investimento de cerca de 700 mil euros, cofinanciado pela Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (15%) e por fundos comunitários do ‘Portugal 2020’ (85%), tendo o município cadavalense cedido o terreno para a implantação da infraestrutura.

Texto e fotografia: Paulo Ribeiro/ALVORADA