Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Login

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Comissão Europeia pretende que o Oeste continue a aproveitar os fundos comunitários

Coloquio fundos comunitarios

No dia em que estava inicialmente prevista a votação do ‘Brexit’ pelo Parlamento do Reino Unido, adiado por decisão da Primeira-Ministra Theresa May, a Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal veio à nossa região explicar ‘As oportunidades da União Europeia para as Regiões’. Sofia Colares Alves esteve esta terça-feira nas Caldas da Rainha, no auditório da sede da OesteCIM - Comunidade Intermunicipal do Oeste, no âmbito do seminário ‘Apoios da União Europeia – Oeste Portugal’, promovido pelo Centro de Informação Europe Direct Oeste de Oeste e Lezíria do Tejo, Associação LeaderOeste e OesteCIM.

Para Sofia Colares Alves, a saída do Reino Unido a 1 de Abril de 2019 vai provocar um enorme impacto em todos os países da União Europeia e está a ser preparado um plano de contingência para todos os Estados-Membros para atenuar as consequências negativas que se esperam com esta decisão. Um estudo do economista português Augusto Mateus antecipa perdas, para Portugal, em 16% das nossas exportações e de 26% em toda a União Europeia. “O Reino Unido é o quarto país para onde Portugal exporta mais, pelo que temos um grande desafio pela frente”, enfatizou a alta-funcionária comunitária que esteve pela primeira vez nestas funções no Oeste.

Falando para uma plateia composta por autarcas, dirigentes autárquicos e membros de organizações sem fins lucrativos, entidades públicas ou privadas do sector criativo e educativo, Sofia Colares Alves exortou o Oeste a aproveitar os fundos comunitários que serão disponibilizados para o nosso país e alertou que o futuro orçamento da União Europeia, que será mais ambicioso, não irá transferir mais dinheiro, antes pelo contrário: no quadro comunitário 2021-2027, Portugal irá contar com um envelope financeiro de 7% do orçamento global (21,2 mil milhões de euros), o que representa 292 euros ‘per capita’. “Vamos continuar a ser o quinto país da UE mais apoiado por fundos comunitários”, sublinhou a responsável, adiantando que “muitos investimentos regionais e locais estão a ser alavancados pelo orçamento da UE”.

Em destaque neste seminário esteve o programa ‘Europa para os Cidadãos’, desenvolvido por Zélia Dias, do Ponto de Contacto Nacional do Programa Europa para os Cidadãos do Centro de Informação Europeia Jacques Delors, que destacou a importância da dimensão local e regional para o sucesso das candidaturas, bem como a transnacionalidade como factor essencial para a aprovação. O programa ‘Europa Criativa’ foi apresentado pelos técnicos Manuel Claro e Susana Costa Pereira, ambos do Centro de Informação Europa Criativa.

Na sessão de abertura, Paulo Simões, Primeiro Secretário Intermunicipal da OesteCIM, falando em nome dos autarcas oestinos, frisou que “os nossos municípios estão cada vez mais perto das instituições europeias e pretendemos perceber quais são as oportunidades que existem, quais são os grandes desafios da Comissão Europeia, e, obviamente, queremos trabalhar em linha com isso”. Neste seminário estiveram presentes representantes dos executivos municipais da Lourinhã, Bombarral, Torres Vedras, Peniche, Cadaval, Nazaré, Óbidos e Alenquer.

Texto e fotografia: Paulo Ribeiro/ALVORADA