Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

GNR vai ficar com controlo de toda a fronteira marítima

GNR Unidade Controlo Costeiro

O ministro da Administração Interna anunciou hoje que a GNR vai ficar com o controlo de todos os postos de fronteira marítima, incluindo terminais de cruzeiro, no âmbito da transferência de competências do SEF para aquela força de segurança.

No âmbito do processo de reestruturação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), segundo a lei de 2021 que estabelece a transferência de competências para a PSP e GNR, o controlo dos terminais de cruzeiros passaria para a competência da Polícia de Segurança Pública, mas tal já não vai acontecer, ficando a Guarda Nacional Republicana com o controlo de toda a fronteira marítima. A PSP vai ficar responsável pelo controlo das fronteiras aéreas.

“É isso que está garantido e já foi articulado com a PSP ao abrigo do estabelecido num acordo de cooperação entre as duas forças. A lei 73/2021 deixou previsto que efectivamente seria a PSP a controlar os terminais de cruzeiro. Contudo, por uma questão de continuidade no controlo fronteiriço, já foi objecto de diálogo com a PSP e GNR tendo em vista garantir a prossecução desse princípio que tem que depois de ser materializado num acordo de cooperação policial”, disse aos jornalistas José Luís Carneiro, no final da cerimónia militar comemorativa do aniversário da Unidade de Controlo Costeiro da GNR.

Fonte do gabinete do ministro da Administração Interna esclareceu, entretanto, à Lusa que "esta medida é implementada ao abrigo do desejável estabelecimento de um acordo de cooperação operacional entre as forças de segurança". Nas declarações aos jornalistas, o governante sustentou que “era importante que houvesse uma unidade da gestão de fronteira”. “Assim como pretendemos que haja uma unidade na gestão integrada da fronteira aérea, por isso é que GNR não estará no aeroporto de Beja, estará a PSP. Também procuremos garantir que a Unidade de Controlo Costeiro garanta o controlo da fronteira marítima, procurando garantir uma continuidade e integridade da fronteira aérea e marítima”, disse José Luis Carneiro.

O ministro explicou que, no âmbito da transferência das competências policiais do SEF, o controlo aéreo será garantido por parte da PSP e o controlo marítimo e terrestre será garantido pela GNR, enquanto “tudo o que tem a ver com dimensões de criminalidade organizada, nomeadamente tráfico de seres humanos, será da responsabilidade da PJ”.

José Luís Carneiro realçou que a Unidade de Controlo Costeiro da GNR “terá responsabilidades acrescidas no domínio da fronteira marítima”. “À luz dos dados objetivos que temos hoje, ficaremos com um controlo integrado e com uma gestão de fronteira marítima muito mais robusto do que aquilo que tínhamos até agora”, disse.

No âmbito da extinção do SEF, que entretanto foi adiada até à criação da Agência Portuguesa para as Migrações e Asilo (APMA), as competências policiais do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras vão passar para a PSP, GNR e Polícia Judiciária, enquanto as actuais atribuições em matéria administrativa relativamente a cidadãos estrangeiros passam a ser exercidas pela APMA e Instituto dos Registos e do Notariado.

A extinção do SEF foi decidida pelo anterior Governo e aprovada na Assembleia da República em Novembro de 2021, tendo já sido adiada por duas vezes. A ministra-adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, já afirmou que tem a previsão de fechar a proposta sobre a criação da Agência Portuguesa para as Migrações e Asilo até ao final do ano.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Paulo Ribeiro/ALVORADA (arquivo)