Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Incêndios: dispositivo de combate mantém nível de prontidão

fogo

O dispositivo de combate aos incêndios florestais mantém-se “todo no terreno”e com mesmo nível de prontidão, apesar de ter passado hoje para situação de alerta, disse o comandante nacional de Emergência e Protecção Civil.

Não há desmobilização de meios, apenas houve uma alteração da situação de contingência para a situação de alerta. O dispositivo continua todo no terreno, operacional, com a mesma colaboração e com a mesma entrega das diferentes entidades”, precisou André Fernandes aos jornalistas durante a apresentação do ponto de situação dos incêndios rurais que lavram no país.

Portugal continental passou hoje para situação de alerta, o nível de resposta mais baixo previsto na Lei de Bases da Protecção Civil, depois de ter estado durante sete dias em situação de contingência (nível intermédio entre alerta e calamidade) devido ao risco extremo de incêndio rural e elevadas temperaturas.

Apesar deste desagravamento, André Fernandes recordou que se “mantêm todas as restrições em relação ao uso do fogo”, bem como a adequação dos comportamentos face à situação de risco de incêndio.

Os dados que temos do ponto de vista da meteorologia são de que Portugal continental se mantém em situação de seca extrema e severa, portanto as condições para os incêndios florestais terem uma grande dimensão existem”, frisou.

André Fernandes avançou que a ANEPC está neste momento a avaliar com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) qual vai ser a incidência a partir de terça-feira para se decidir se Portugal continental vai manter-se em situação de alerta ou existir um desagravamento.

O comandante nacional deu também conta que todos os distritos estão em alerta laranja (o segundo mais grave de uma escala de quatro) no que toca ao estado de alerta especial para o dispositivo, ou seja, mobilização dos meios envolvidos para o combate.

Apesar da zona do litoral ter uma recuperação de humidade maior nocturna, as condições são excepcionais para aquilo que é a deflagração e progressão rápida dos incêndios”, disse, recordando o incêndio do Fundão em que a taxa de expansão de progressão do incêndio logo no início foi de 2,5 quilómetros por hora.

O comandante sublinhou que “existe uma grande disponibilidade para os incêndios tomarem uma grande dimensão” devido à situação grave do ponto de vista da seca.

São estas as condições que existem no terreno. A disponibilidade dos combustíveis para arder é de facto excepcional e vai manter-se durante o Verão. Independente da meteorologia melhorar e das alterações da situação de alerta, os comportamentos têm que se manter exatamente os mesmos e adequá-los às condições de secura”, realçou.

A situação de alerta prolonga-se até às 23h59 de terça-feira, dia em que voltará a ser reavaliada a situação.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Direitos Reservados