Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

ANMP “satisfeita” com resultados das negociações com Governo sobre descentralização

ANMP II logo

A presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) disse hoje estar “satisfeita” com o “que tem sido alcançado” nas negociações com o Governo sobre a descentralização, garantindo que “ficam acauteladas” as propostas dos municípios.

“Fico satisfeita por ver que a disponibilidade negocial e, sobretudo, o que tem sido alcançado, os resultados que estão prestes a ser formalizados num acordo, que só não está ainda assinado porque queremos ter as garantias de que fica tudo acautelado”, disse Luísa Salgueiro, no final de uma reunião, esta manhã, entre a Área Metropolitana do Porto e as ministras da Coesão Territorial e Saúde, na qual participou na qualidade de autarca de Matosinhos.

Para Luísa Salgueiro, “mais importante do que a data” do referido acordo, é ter “a certeza que está tudo bem trabalhado e que ficam acauteladas as propostas e as reivindicações que os muitos municípios têm transmitido [à ANMP]”.

Salientando o “imenso trabalho que tem sido feito” pela ANMP, Luísa Salgueiro garantiu que as preocupações dos autarcas quanto ao processo de descentralização de competências têm “sido alvo de uma intensa, muito intensa negociação diária”, que originou “já a apresentação de documentos que hoje mesmo, daqui pouco tempo à tarde, vão ser discutidos pelo Conselho Directivo”.

O documento da ANMP, apontou, “resume um conjunto de medidas que já foram alcançadas, respondendo às expectativas de todos os municípios (…) sobretudo na área da Educação e da área da Saúde”.

Luísa Salgueiro fez questão de salientar o trabalho de negociação da ANMP: “Quero só dizer que a Comissão Técnica de Desenvolvimento, que é constituída nos termos da lei e que tem de acompanhar todo o processo (…) se tem reunido. São reuniões de que não é dada nota pública, que têm decorrido com confidencialidade, mas com grande eficácia e no âmbito das quais a ANMP tem transmitido as suas preocupações e que estão a ser todas acolhidas pelo Governo”, salientou.

As negociações entre o Governo e a ANMP atrasaram-se em áreas como a Educação, a Saúde e a Acção Social, que envolviam a transferência de funcionários, equipamentos e, em consequência, montantes financeiros.

O atraso da publicação dos diplomas levou à prorrogação do prazo para que os municípios assumissem definitivamente estas competências, de 1 de Janeiro de 2021 para 31 de Março de 2022. No caso da Acção Social, como o diploma sectorial foi publicado já este ano, o prazo foi prorrogado até ao final deste ano.

Em 1 de Abril, quando era esperado que os municípios assumissem definitivamente competências na Saúde e na Educação, menos de metade dos municípios elegíveis (201 na Saúde e 278 na educação) tinham assumido as competências voluntariamente. Quanto às restantes 17 competências, o Governo considerou-as transferidas em 1 de janeiro de 2021, nas áreas da Cultura, Habitação, Justiça, Atendimento ao cidadão, Gestão do património imobiliário público, Vias de comunicação, Praias, Áreas portuárias, Transporte em vias navegáveis interiores, Cogestão de áreas protegidas, Protecção civil, Policiamento de proximidade, Segurança contra incêndios, Estacionamento público, Jogos de Fortuna e de azar, Arborização e rearborização e Associações de bombeiros.

Texto: ALVORADA com agência Lusa