Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Segurança: Criminalidade participada com ligeiro aumento em 2021 e violenta e grave diminuiu

GNR 20

A criminalidade participada registou um aumento de 0,9% em 2021 face a 2020, enquanto a criminalidade violenta e grave diminuiu 6,9%, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) hoje aprovado.

O RASI de 2021, aprovado na reunião do Conselho Superior de Segurança Interna, revela que a criminalidade participada registou um ligeiro acréscimo em comparação com 2020, verificando-se mais 2.597 crimes. De acordo com o RASI, em 2021 foram denunciados às forças e serviços de segurança 301.394 crimes, mais 0,9% do em que em 2020 quando se registaram 298.797.

Por sua vez, a criminalidade violenta e grave registou no ano passado uma descida em comparação com 2020, tendo-se verificado menos 855. O RASI dá conta de 11.614 crimes violentos e graves em 2021, menos 6,9% do que em 2020, quando ocorreram 12.469.

O documento destaca que a criminalidade, tanto a geral, como a violenta e grave, regista valores abaixo do período pré-pandemia, em 2019.

Segundo o RASI, os crimes contra o património continuam a ser os mais representativos no âmbito da criminalidade participada às forças e serviços de segurança, representando 50,2% total. Os crimes de furto, que nas suas diversas formas representam 26,7% do total das participações, mantém a tendência de decréscimo verificada nos últimos anos com menos 3.932 ocorrências (-4,66%) comparativamente a 2020. O RASI indica também que o crime de violência doméstica é o mais participado, com 26.520 denúncias, apesar de ter registado uma redução de 4% (-915 casos) comparativamente a 2020.

Lisboa (72.183), Porto (47.552), Setúbal (28.679), Faro (20.788) e Braga (18.419) são os distritos com maior número absoluto da criminalidade participada e, no sentido inverso, Portalegre (3.058), Bragança (3.140), Guarda (3.462), Évora (3.595) e Beja (4.321) são que registam menos valores.

No entanto, a criminalidade participada registou maiores aumentos em 2021 em Lisboa, mais 2.190, (+3,1%), Açores (+735, +7,9%), Beja (+561, +14,9%), Setúbal (+426, +1,5%), Castelo Branco (+361, +7,1%), enquanto a maior descida ocorreu no Porto, menos 2.908(-5,8%), Madeira (-476, -7,9%), Coimbra (-451, -4,8%), Braga (-442, -2,3%) e Portalegre (-283, -8,5%).

O RASI revela também que o crime de roubo nas diversas formas é responsável por 68% das ocorrências violentas e graves registadas, representando o crime de roubo na via pública, roubo por esticão e resistência e coação sobre funcionário 65,5% da criminalidade grave e violenta. No âmbito da criminalidade violenta, subiram os crimes por extorsão, registando-se 129 casos (19,5%) e violação, mais 82 casos (+26%). No sentido inverso, desceram o roubo por esticão, menos 461 casos (-20,9%), roubo na via pública (-390 casos, -8,3%) e roubo a residência (-148 casos, -22,5%).

Tal como acontece na criminalidade geral, os distritos de Lisboa (4.619), Porto (1.886), Setúbal (1.234), Faro (707) e Braga (469) registam o maior número absoluto da criminalidade violenta e grave. A criminalidade violenta registou em 2021 descidas nos distritos de Setúbal, menos 359 (-22,5%), Lisboa (-344, -6,9%), Faro (-144, - 16,9%), Aveiro (-57, -12,5%) e Coimbra (-54, -17,6%), já em Santarém, mais 48 (+18%), Porto (+32, +1,7%), Açores (+28%, 14,6%) e em Viana do Castelo (+26, 34,2%) aumentou.

A reunião do Conselho Superior de Segurança Interna foi presidida pelo Primeiro-Ministro António Costa.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Paulo Ribeiro/ALVORADA (arquivo)