Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: INSA confirma que linhagem BA.5 já é responsável por 80% das infecções

covid19

A linhagem BA.5 da variante Ómicron, considerada pelos especialistas mais transmissível do que a BA.2, é já responsável por 80% das infecções registadas em Portugal, estima o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA).

De acordo com o relatório semanal do INSA sobre a diversidade genética do coronavírus SARS-CoV-2 hoje divulgado, após ter sido detectada, na semana entre 28 de Março e 3 de Abril, a linhagem BA.5 tem registado uma frequência “marcadamente crescente” em Portugal, assumindo prevalência dominante que antes era da BA.2.

No relatório anterior, o INSA salientava que a BA.5 apresentava uma tendência de crescimento relativo de 13% por dia e um tempo de duplicação de cerca de seis dias, prevendo que rapidamente chegaria a uma prevalência de cerca de 80%, uma projecção que veio a confirmar-se. “Os dados obtidos desde então têm tido uma grande sobreposição com a projecção, confirmando que a linhagem BA.5 da variante Ómicron do SARS-CoV-2 atingiu uma frequência relativa de cerca de 80% ao dia 22 de Maio”, avança o instituto.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) admitiu que essa linhagem, que tem mutações adicionais com impacto na entrada do vírus nas células humanas e ou na sua capacidade de evadir a resposta imunitária, é mais transmissível do que a BA.2, mas ressalvou que ainda não existem dados que comprovem que provoca Covid-19 mais grave.

De acordo com o INSA, recentemente foi detectada uma sublinhagem da BA.2 (BA.2.35), com uma mutação associada à resistência a anticorpos neutralizantes, que tem registado uma frequência com tendência crescente, representando cerca de 3% das sequências analisadas.

Até à data, não foi detectado qualquer caso da BA.4 em Portugal, avança ainda o instituto.

O último relatório da Direcção-Geral da Saúde (DGS) e do INSA sobre a evolução da pandemia, divulgado na sexta-feira, atribui a “incidência muito elevada” de infecções registada no país à redução da adesão a medidas não farmacológicas, ao período de festividades e ao “considerável aumento de circulação de variantes com maior potencial de transmissão”.

No âmbito da monitorização contínua da diversidade genética do SARS-CoV-2 que o INSA está a desenvolver, têm sido analisadas uma média de 523 sequências por semana desde o início de Junho de 2021, provenientes de amostras colhidas aleatoriamente em laboratórios distribuídos pelos 18 distritos de Portugal continental e pelas regiões autónomas dos Açores e da Madeira, abrangendo uma média de 139 concelhos por semana.

Texto: ALVORADA com agência Lusa