Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Segurança Rodoviária, GNR e PSP iniciam hoje campanha sobre riscos de usar telemóvel ao volante

ANSR 2

A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), GNR e PSP iniciam hoje uma campanha para alertar os condutores sobre as "consequências negativas e mesmo fatais” do uso do telemóvel durante a condução.

A campanha de segurança rodoviária ‘Ao volante, o telemóvel pode esperar’ é inserida no Plano Nacional de Fiscalização de 2022 e vai decorrer até 30 de Maio em todo o país.

Segundo a ANSR, no ano passado foram detectadas 24.306 infracções relativas ao uso do telemóvel durante a condução, o que representa um aumento de 5,5% relativamente a 2020.

Num comunicado conjunto, a ANSR, a PSP e a GNR sublinham que “é urgente travar este comportamento”, sustentando que a utilização do telemóvel durante a condução aumenta em quatro vezes a probabilidade de ter um acidente.

A campanha ‘Ao volante, o telemóvel pode esperar’ integrará várias acções de sensibilização realizadas pela ANSR e operações de fiscalização pela GNR e pela PSP, com especial incidência em vias e acessos com elevado fluxo rodoviário.

A ANSR, a PSP e a GNR referem no comunicado conjunto que a campanha pretende contribuir para “a diminuição do risco de ocorrência de acidentes e para a adopção de comportamentos mais seguros por parte dos condutores” em relação ao uso do telemóvel durante a condução.

Segundo a ANSR, PSP e GNR, os condutores que utilizam o telemóvel durante a condução são “mais lentos em reconhecer e reagir a perigos”, a distração ocorre quando duas tarefas mentais, conduzir e utilizar o telemóvel, são executadas ao mesmo tempo, o que provoca lapsos de atenção e erros de avaliação e o uso de aparelhos electrónicos durante a condução causa dificuldade na interpretação da sinalização e desrespeito das regras de cedência de passagem, designadamente em relação aos peões.

Texto: ALVORADA com agência Lusa