Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

DGAV altera medidas de prevenção da gripe aviária devido a melhoria epidemiológica

Gripe das aves

A melhoria da situação epidemiológica da gripe aviária, identificada em Portugal no final de 2021, levou à alteração das medidas de combate à nova estirpe do vírus, anunciou hoje a Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV).

“A partir da segunda metade do mês de Março deste ano verificou-se uma melhoria gradual da situação epidemiológica desta doença, com uma diminuição do número de focos notificados no território da União Europeia”, adiantou a DGAV em comunicado.

Perante esta evolução favorável, a DGAV determinou a alteração das medidas de prevenção para combater a nova estirpe do vírus da gripe aviária, sendo revisto o confinamento geral impostas às aves domésticas. “Esta medida deixa de ser aplicável à totalidade do território continental. No entanto, as aves de capoeira e aves em cativeiro detidas em estabelecimentos, localizadas nas zonas de alto risco deverão permanecer confinadas aos respectivos alojamentos, de modo a impedir o seu contacto com aves selvagens”, alertou o comunicado.

Segundo a DGAV, nas zonas de alto risco para a gripe aviária mantêm-se as normas destinadas a combater a propagação da doença, nomeadamente o rigoroso registo e separação dos animais de espécies distintas vendidos em feiras, mercados, exposições e outros eventos públicos.

Desde Outubro tem sido detectada a circulação de vírus Influenza A do subtipo H5N1 nas populações de aves selvagens e de capoeira em diversas regiões da Europa, afectando diversas espécies selvagens e domésticas.

Em 30 de Novembro de 2021, confirmou-se em Portugal o primeiro foco de infecção por deste vírus (subtipo H5N1) em aves domésticas. Em 18 de Março, a investigadora do Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA) Raquel Guiomar adiantou à Lusa que Portugal não tinha registo de nenhum caso de gripe aviária em humanos e que os focos de infecção em animais estavam controlados.

A região Oeste registou alguns focos deste vírus, nomeadamente em unidades aviárias na União das Freguesias de A-dos-Cunhados e Maceira, assim como em gaivotas no concelho de Peniche.

Texto: ALVORADA com agência Lusa