Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Crise/Energia: Liga dos Bombeiros dá 15 dias para Governo apresentar medidas mitigadoras

Liga dos Bombeiros Portugueses II

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) exigiu hoje que o Governo apresente, num prazo máximo de 15 dias, medidas que mitiguem o impacto do aumento do preço dos combustíveis no orçamento das corporações. O prazo foi fixado numa proposta aprovada por unanimidade pelo Conselho Nacional da LBP, que hoje se reuniu na Figueira da Foz.

A LBP promete convocar um Conselho Nacional extraordinário, "para análise, discussão e tomadas de medidas excepcionais e com impacto público", caso não haja resposta do Governo no tempo exigido, refere um comunicado da Liga.

Na quinta-feira, a LBP lamentou que o Governo "ainda não tenha encontrado uma solução" para minimizar "o impacto brutal" do aumento do preço dos combustíveis nas corporações de bombeiros.

Em declarações à Lusa, o presidente da LBP, António Nunes, disse que os ministérios da Administração Interna e da Saúde sabem quais são as dificuldades das corporações de bombeiros e conhecem as propostas da LBP para que consigam resistir ao aumento do preço dos combustíveis.

As propostas da LBP incluem medidas equivalentes aos transportes públicos, acesso ao gasóleo verde e a assinatura do despacho acordado entre a Liga e o Ministério da Saúde em Novembro de 2021 para o transporte não-urgente de doentes, que revia a tabela de 2012. Segundo António Nunes, "está quase a chegar" o momento em que as corporações de bombeiros "vão deixar de ter capacidade para pagar os combustíveis aos fornecedores".

Questionado sobre a transferência feita em Março pelo Ministério da Administração Interna de 1.500 euros para cada corporação a título de compensação transitória da comparticipação com encargos com combustíveis, o presidente da LBP afirmou que se tratou de "uma dívida que a Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil tinha com os bombeiros".

Texto: ALVORADA com agência Lusa