Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Presidência e Assembleia da República associam-se à ‘Hora do Planeta’ e desligam iluminações durante uma hora

horadoplaneta2022

A Presidência da República e a Assembleia da República participam hoje no cato simbólico de desligar a iluminação dos edifícios por ocasião da ‘Hora do Planeta’, para demonstrar o compromisso com a luta contra as alterações climáticas.

Segundo um comunicado divulgado na página oficial da Presidência da República na internet, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, “associa-se de novo ao movimento de sustentabilidade global 'Hora do Planeta', repetindo o acto simbólico de serem apagadas as luzes das fachadas dos Palácios de Belém e da Cidadela de Cascais”, entre as 20h30 e 21h30. A nota acrescenta que o objectivo da acção simbólica é mostrar o “compromisso na luta contra o aquecimento global e as alterações climáticas”.

A Assembleia da República informou igualmente numa nota divulgada no seu 'site' que o parlamento também vai desligar a iluminação dos seus edifícios, durante o mesmo período. “Trata-se de um acto simbólico que manifesta o empenho do Parlamento nas questões ambientais. A Assembleia da República junta-se assim à participação nesta iniciativa dos parlamentos da União Europeia, incluindo o Parlamento Europeu”, acrescenta o comunicado.

A ‘Hora do Planeta’ é um movimento que ocorre anualmente desde 2007, na Austrália, na sequência de uma iniciativa apresentada pela World Wildlife Fund (WWF). O objectivo deste acto simbólico é consciencializar a população mundial para as alterações climáticas. O primeiro evento juntou cerca de dois milhões de pessoas em Sidney e desde então várias cidades em todo o mundo uniram-se ao movimento, desligando as iluminações dos edifícios emblemáticos e do Estado durante uma hora.

Texto: ALVORADA com agência Lusa