Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Dia de Portugal comemorado em Braga e Reino Unido, Jorge Miranda preside à comissão organizadora

Palacio de Belem

As comemorações do Dia de Portugal decorrerão este ano em Braga e também junto das comunidades portuguesas no Reino Unido, foi hoje divulgado num despacho do Presidente da República, que designa o constitucionalista Jorge Miranda presidente da comissão organizadora.

O despacho publicado em Diário da República estabelece que “para a organização das comemorações é constituída uma Comissão presidida por Professor Doutor Jorge Miranda, professor catedrático jubilado da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa”.

A comissão integra ainda o almirante António da Silva Ribeiro, Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, Fernando Frutuoso de Melo, chefe da Casa Civil do Presidente da República, o vice-almirante Luís de Sousa Pereira, chefe da Casa Militar do Presidente da República, Rita Magalhães Collaço, secretária do Conselho de Estado, o tenente-general João Vaz Antunes, secretário do Conselho Superior de Defesa Nacional, Ana Cristina Baptista, secretária-geral da Presidência da República, e a embaixadora Clara Nunes dos Santos, Chefe do Protocolo do Estado.

O despacho do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, datado de 31 de Janeiro e hoje publicado, designa “a cidade de Braga como sede das comemorações, em 2022, do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, bem como junto das comunidades portuguesas no Reino Unido, e estabelece a constituição da Comissão Organizadora”, sem adiantar mais pormenores sobre as celebrações.

Em 2021, o Presidente da República nomeou a médica Carmo Caldeira, directora do serviço de cirurgia do Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal, para presidir à comissão organizadora das comemorações do 10 de Junho, uma forma de, em "tempo de pandemia" de Covid-19, "também homenagear os profissionais de saúde". Em 2020, face à evolução da pandemia da Covid-19, Marcelo Rebelo de Sousa cancelou as comemorações do 10 de Junho que estavam previstas para a Madeira e para a África do Sul e optou por assinalar a data com uma "cerimónia simbólica" no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, apenas com os dois oradores e seis convidados. Em 2021, as celebrações do Dia de Portugal decorreram na Região Autónoma da Madeira, com um programa intenso, durante três dias, que terminou com a cerimónia militar comemorativa do 10 de Junho na cidade do Funchal. Inicialmente, esteve previsto as comemorações do 10 de Junho prosseguirem em Bruxelas, junto dos portugueses residentes na Bélgica, coincidindo com o final da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia, mas esse programa no estrangeiro acabou por ser cancelado devido à situação sanitária local.

Quando assumiu a chefia do Estado, em 2016, Marcelo Rebelo de Sousa lançou, em articulação com o Primeiro-Ministro, António Costa, e com a participação de ambos, um modelo inédito de duplas comemorações do 10 de Junho, primeiro em Portugal e depois junto de comunidades portuguesas no estrangeiro. Em 2016 decorreram entre Lisboa e Paris, em 2017 entre o Porto e o Brasil, em 2018 entre os Açores e os Estados Unidos da América e em 2019 entre Portalegre e Cabo Verde. Com este modelo - interrompido em 2020 e 2021 devido à pandemia de Covid-19 - o chefe de Estado e Comandante Supremo das Forças Armadas faz dois discursos nesta data, um mais solene, de manhã, numa cerimónia militar em território português, e outro mais emotivo, ao fim do dia, perante emigrantes portugueses e lusodescendentes no estrangeiro - ou, como prefere dizer, no "território espiritual" da nação.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Presidência da República