Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: Governo vai aumentar testes gratuitos por pessoa

Covid 19 teste

A ministra da Saúde, Marta Temido, revelou hoje que o Governo vai aumentar o número de testes Covid-19 gratuitos por pessoa, que está agora fixado em quatro por mês. Questionada pelos jornalistas durante uma conferência de imprensa sobre a situação epidemiológica da Covid-19 em Portugal, Marta Temido disse que a medida "poderá avançar" na próxima semana.

Na sequência do constante apelo à testagem, nomeadamente “antes de eventos sociais, em especial no Natal”, questionada pela Lusa sobre se o Governo admite impor um travão aos preços dos autotestes, que têm disparado, Marta Temido não respondeu em concreto, mas disse que o Governo está a considerar o “alargamento do número de testes por indivíduo”  - sem, no entanto, e apesar de várias perguntas dos jornalistas, indicar que número será esse. “Poderá avançar já na semana que vem”, disse, fazendo depender a decisão do “contexto a observar” nessa altura.

O Governo mantém a “política de disponibilização de testes gratuitos em farmácias comunitárias”, frisou, apelando às pessoas para que façam “os testes a que já têm acesso”. A ministra repetiu ainda o apelo aos pais para vacinarem as crianças, possibilidade que arranca no fim-de-semana, sublinhando a existência de “dias dedicados” aos mais pequenos: no sábado e no domingo, os centros de vacinação estarão abertos exclusivamente para crianças dos nove aos onze anos.

Simultaneamente, o plano de alargamento do reforço vacinal a outras faixas etárias mantém-se, ainda que possa sofrer ajustes. Por exemplo, a faixa dos 50 anos, que tem reforço vacinal previsto para o início do novo ano, poderá ser antecipada, “se não for exequível" vacinar pessoas de faixas etárias acima, admitiu a ministra, reconhecendo que tem havido “uma adesão relativamente baixa”.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Lusa (arquivo)