Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: Cerca de 42% dos recuperados com sintomas de stress pós-traumático revela estudo

covid19 M

Cerca de 42% dos recuperados da Covid-19 apresentam sintomas de stresse pós-traumático e mais de 40% mostram-se preocupados com o julgamento negativo de outras pessoas por terem sido infectados, estima um estudo hoje divulgado.

“Cerca de 40% dos sobreviventes da infecção apresentaram pelo menos alguns sentimentos de insegurança relacionados com a infecção pelo vírus SARS-CoV-2, a percepção de que outros poderão julgá-los negativamente por terem sido infectados e sentimentos de isolamento pelo mesmo motivo”, indica a investigação do Observatório Social da Fundação La Caixa.

Segundo este inquérito sobre as consequências da pandemia na saúde mental, os resultados relativos à Escala de Vergonha associada a Doença (CISS, no original) demonstraram que os “sentimentos de vergonha dos sobreviventes parecem estar mais relacionados com os julgamentos feitos por outras pessoas do que os julgamentos feitos pelo próprio”.

As conclusões adiantam ainda que cerca de 42% dos sobreviventes da infecção por SARS-CoV-2 apresentaram um possível diagnóstico de perturbação de stress pós-traumático (PTSD, na sigla em inglês) relacionado com a experiência de ter sido infectados pelo SARS-CoV-2.

O estudo analisou um total de 640 adultos, divididos por três grupos: recuperados da infecção, pessoas que foram testadas, mas nunca tiveram um resultado positivo e pessoas que nunca fizeram teste de despiste para o coronavírus. A amostra foi recolhida em Portugal através de um inquérito 'on-line' durante fevereiro deste ano. “Apesar de não terem sido identificadas diferenças entre os três grupos, os níveis de ansiedade e depressão observados foram mais elevados do que aqueles considerados normativos previamente à pandemia”, revelam as conclusões agora divulgadas. Além disso, os resultados também revelaram que a existência de um historial psiquiátrico prévio tornou as pessoas mais vulneráveis a ansiedade e depressão durante a pandemia da Covid-19.

A investigação do Observatório Social da La Caixa permitiu ainda perceber que a maioria dos inquiridos (59,2%) apresentou níveis de ansiedade no limite entre o subclínico e o clinicamente significativo (23,3% leve, 28,1% moderado e 7,8% grave). Estes valores contrastam com dados anteriores que apontavam para menos de 20%. “Estes resultados parecem indicar que a pandemia está a ter efeitos semelhantes na saúde mental dos indivíduos, independentemente de terem sido ou não infectados pelo vírus SARS-CoV-2”, apontam os investigadores.

Mais de metade das pessoas que não foram infectadas com o vírus reportaram pelo menos “muito medo” de ter complicações graves devidas à Covid-19 (74,2%), de morrer da doença (60,9%), de ter contacto com alguém infectado (70,4%), de ter contacto com alguém com sintomas respiratórios (64,4%) ou de ter contacto com alguém que tenha tido contacto com um doente infectado (60,4%). “Embora não seja surpreendente que pessoas não infetadas manifestem medo da Covid-19, estes dados são interessantes se considerarmos a média de idades dos participantes (cerca de 36 anos), demonstrativa de que uma proporção relevante dos participantes pertence a grupos de baixo risco”, adianta ainda o estudo. “Sentimentos de vergonha e sintomas de PTSD nos sobreviventes são particularmente preocupantes. São, no entanto, necessários mais estudos para analisar a evolução do sofrimento psicológico dos grupos estudados. No momento actual, parece revelar-se importante tomar atenção à saúde mental da população em geral e a potenciais necessidades de intervenção psiquiátrica e psicológica”, concluiu o estudo.

Texto: ALVORADA com agência Lusa