Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: Terceira dose da vacina “é essencial” para pessoas vulneráveis segundo OMS Europa

vacina coronavirus 19

Uma terceira dose da vacina contra a Covid-19 “é essencial para garantir protecção aos mais vulneráveis”, como pessoas idosas ou com imunidades mais baixas, realçou hoje, em Lisboa, o director da Organização Mundial da Saúde para a Europa. “Não temos evidência para a generalizar na população”, sublinhou Hans P. Klüge, em declarações aos jornalistas, à margem de uma visita guiada à Unidade de Saúde Familiar (USF) da Baixa, na capital.

Em visita oficial a Portugal, hoje e terça-feira, o director regional para a Europa da Organização Mundial da Saúde (OMS) frisou ainda que administrar a terceira dose em alguns “não pode ser vista como tirar algo” a outros. “Temos de fazer tudo ao mesmo tempo: garantir que todos obtêm a primeira e a segunda doses e, entretanto, na região da Europa, dar a terceira dose às pessoas mais vulneráveis”, defendeu.

O director regional da OMS congratulou o Governo português - e a ministra da Saúde, Marta Temido, em particular -, por terem conseguido uma “elevadíssima taxa de vacinação”. Recordando que “em 35 dos 53 países” que integram a região Europa da OMS se está “a assistir a uma estabilização da vacinação”, Hans P. Klüge salientou: “Portugal, ao contrário, está a fazer um óptimo trabalho.” Esse “bom resultado”, acredita, resulta de “um forte sistema de saúde primário e, claro, de uma forte liderança política”.

Acompanhado pelo subdirector-geral da Saúde, Rui Portugal, Hans P. Klüge teve direito a visita guiada do próprio director da USF da Baixa, Martino Gliozzi. “Para mim, é muito importante ir e ver com os meus próprios olhos”, disse Hans P. Klüge salientou: “Portugal, ao contrário, está a fazer um óptimo trabalho", ele próprio médico geral e familiar. “Portugal é um bom exemplo de cobertura universal” nos cuidados de saúde, destacou, enquanto ouvia que a USF da Baixa, em funcionamento desde Agosto de 2015, tem 16 mil doentes inscritos, de 95 nacionalidades diferentes. “Vimos que os países que tiveram melhor desempenho na resposta à Covid-19 são aqueles que, historicamente, investiram mais em cuidados de saúde primários e em saúde pública”, apontou.

O médico saudou ainda “a solidariedade de Portugal” para com os outros países de língua portuguesa. “A solidariedade internacional é muito importante, não é aceitável que nalguns sítios do mundo haja médicos, enfermeiros e idosos que ainda não receberam a primeira dose”, reconheceu. O director regional apelou também à “coerência política” entre os países da Europa, no sentido de se “sentarem à mesa” para chegar a um consenso sobre as regras a aplicar.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Direitos Reservados