Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: Delta é a única variante em circulação em Portugal revela o INSA

Covid 19 7

A variante Delta do vírus SARS-CoV-2 é a única em circulação em Portugal, sendo responsável por 100% das infecções em todas as regiões do país, anunciou hoje o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA).

“A variante Delta (B.1.617.2) apresenta uma frequência relativa de 100% na semana de 16 a 22 de Agosto em todas as regiões, de acordo com os dados apurados até à data”, refere o relatório do INSA sobre a diversidade genética do vírus que provoca a Covid-19.

Segundo o instituto, as várias variantes que já circularam no país - entre as quais a Beta, a Gama e a Alpha, que chegou a ser a predominante - apresentam uma prevalência de 0%, o que quer dizer que não foram detetados casos destas estirpes do vírus nas últimas semanas.

No que se refere à Delta, identificada inicialmente na Índia e considerada mais transmissível do que a Alpha, do total de sequências analisadas desta variante, 66 apresentaram uma mutação adicional na proteína ‘spik’, uma sublinhagem conhecida por Delta Plus que tem “mantido uma frequência relativa abaixo de 1%” nas últimas semanas.

No âmbito da monitorização contínua da diversidade genética do SARS-CoV-2, o INSA tem analisado uma média semanal de 559 sequências, obtidas de amostras colhidas aleatoriamente em laboratórios distribuídos pelos 18 distritos de Portugal continental e pelas regiões autónomas dos Açores e da Madeira, abrangendo uma média de 123 concelhos por semana.

Em Junho, o instituto anunciou um reforço da vigilância das variantes do vírus que causa Covid-19 em circulação em Portugal, através da sua monitorização em contínuo. Segundo o INSA, esta estratégia permitiu uma melhor caracterização genética do SARS-CoV-2, uma vez que os dados analisados continuamente, deixando de existir intervalos de tempo entre análises, que eram dedicados, essencialmente, a estudos específicos de caracterização genética solicitados pela saúde pública.

Texto: ALVORADA com agência Lusa