Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: Direcção-Geral da Saúde encurta intervalo entre doses vacina Pfizer

Vacina covid 10

O intervalo recomendando entre as duas doses da vacina Comirnaty, da farmacêutica Pfizer/BioNtech, contra a Covid-19, passa a ser de 21 a 28 dias, segundo uma norma da Direcção-Geral da Saúde hoje publicada.

A norma hoje divulgada actualiza a norma 021/2020, de 23 de Dezembro de 2020, com o assunto ‘Campanha de Vacinação contra a Covid-19 - Vacina Comirnaty’ no que respeita ao tempo de espera entre as duas doses da vacina, que a 1 de Março tinha sido alargado de 21 para 28 dias.

Na altura, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, explicou em conferência de imprensa que tinha sido “uma decisão com amplo consenso técnico da Direcção-Geral da Saúde e do Infarmed” e que iria permitir a vacinação de mais 100 mil pessoas até ao final de Março.

Na passada sexta-feira, o coordenador da ‘Task Force’ da vacinação contra a Covid-19, vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, defendeu um encurtamento do prazo entre as duas tomas da vacina da Pfizer/BioNtech.

Em declarações à margem de uma acção de promoção da vacinação com jovens, no Parque das Nações, em Lisboa, Gouveia e Melo recordou que já foi reduzido anteriormente o prazo entre tomas das duas doses da vacina da AstraZeneca e defendeu uma decisão similar para a vacina da Pfizer/BioNtech, sobretudo perante a chegada de um milhão de vacinas dessa farmacêutica.

Na norma hoje emitida, a DGS actualiza o esquema vacinal da Comirnaty, recomendando que o intervalo entre as duas doses seja de 21 a 28 dias.

Até domingo, já tinham sido administradas em Portugal, incluindo as regiões autónomas, 12,2 milhões de doses de vacinas. Nesta data, sete milhões de pessoas tinham pelo menos uma dose da vacina (68,2% da população) e 5,8 milhões de pessoas (56,5%) a vacinação completa.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Direitos Reservados