Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Lei que proibia armadilhas para aves rejeitada na Assembleia da República

ave e armadilha ilegal

Uma lei que proibia o fabrico, posse e venda de armadilhas para aves silvestres, resultante de projetos de lei do PAN e do PEV, foi hoje rejeitada em votação na generalidade na Assembleia da República. Votaram contra o PS, PCP, CDS-PP e Chega e absteve-se a IL.

Os deputados votaram um texto de substituição apresentado pela Comissão de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território sobre os dois projectos.

Os dois projetos tinham sido debatidos em plenário a 14 de Abril passado, em conjunto com outras iniciativas no mesmo sentido, e baixaram à comissão, sem votação, no dia seguinte.

As aves silvestres, não-cinegéticas, já estão protegidas por uma directiva europeia (Directiva Aves) mas o uso de artefactos para as capturar ou matar não é proibido.

De acordo com a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) a proibição evitava a morte de 40 mil a 180 mil aves por ano. A associação estima que, apesar de estarem protegidas pela lei nacional e europeia, foram capturadas em Portugal 283 mil aves entre 2011 e 2017, quer para serem vendidas como animais de companhia, em gaiolas, quer para serem comidas como petisco.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: SPEA