Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Rede ‘geocaching’ Termas do Centro quer atrair ‘caçadores de tesouros’ às estâncias termais da região

Termas do Centro 1

As Termas Centro concluíram a primeira fase da instalação de um conjunto de ‘geocaches’ no território das 20 estâncias termais que compõem a rede, entre as quais figuram várias estâncias termais do Oeste. Um total de 12 ‘geocaches’ foram 'escondidas' nesta primeira fase de instalação, por uma equipa do Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Coimbra, coordenada por Paulo de Carvalho, director do Mestrado em Turismo, Território e Patrimónios, e com grande experiência nesta área. Quando estiver completada, a rede de ‘geocaching’ Termas Centro terá disponíveis 50 ‘geocaches’ para os adeptos desta 'caça ao tesouro', que atrai cada vez mais entusiastas, refere em comunicado o Turismo Centro de Portugal.

O ‘geocaching’ é uma actividade recreativa ao ar livre, feita em família, ou isoladamente, e que consiste em encontrar objectos georreferenciados (geocaches), que estão escondidos em locais públicos. Os praticantes começam por verificar as indicações de cada local no ‘site’ www.geocaching.com. Depois, acedem aos ‘geocaches’ utilizando um dispositivo com sistema receptor de GPS, que pode ser um simples telemóvel. No final, registam e partilham as suas experiências com a comunidade ‘geocacher’ e nas redes sociais.

A equipa responsável por esta iniciativa nas estâncias termais começou por fazer o levantamento prévio da oferta de ‘geocaching’ no território, ao que se seguiram acções de trabalho de campo, para reconhecimento e georreferenciação dos pontos de interesse para a criação da rede de ‘geocaching’ Termas Centro. Depois de identificados os locais para a instalação das ‘geocaches’, foram elaborados os conteúdos para cada uma delas e criados os respetivos suportes digitais nas páginas ‘online’ da plataforma ‘geocaching.com’, nomeadamente textos, fotografias e grafismos, em português e inglês. Finalmente, começaram a colocar-se as ‘geocaches’ no território.

As primeiras ‘geocaches’ foram colocadas em locais estratégicos de cinco estâncias das Termas Centro no distrito de Viseu: Alcafache, Carvalhal, Felgueira, Sangemil e São Pedro do Sul. Seguem-se os distritos de Aveiro e Coimbra e Leiria, cujos levantamentos foram já realizados. Segundo confirmou ao ALVORADA Adriano Barreto Ramos, coordenador das Termas Centro, as Termas do Vimeiro também irão integrar este circuito. "Com a situação pandémica presente e as limitações decorrentes, não foi possível à equipa da Universidade de Coimbra deslocar-se ao local. Acreditamos que ainda durante o mês de Abril possa ficar o completo todo o processo", garantiu o responsável.

“Com esta rede de ‘geocaching’ Termas Centro queremos estimular a vinda de novas pessoas às estâncias termais da região, a partir do momento em que seja possível circular em segurança. Esta é uma actividade muito interessante, uma verdadeira ‘caça ao tesouro’ que combate o sedentarismo, promove a saúde e bem-estar e permite a exploração do património natural e cultural envolvente das termas, uma vez que os locais das ‘geocaches’ são escolhidos pela sua importância histórica e cultural. Além disso, esta prática potencia também o sentido social dos participantes, uma vez que, preferencialmente, se joga em grupo, o que incita famílias e grupos de amigos a procurar os ‘tesouros’ e a partilhar as descobertas nas suas redes sociais”, sublinha Adriano Barreto Ramos, coordenador da rede Termas Centro.

Com um rápido crescimento internacional e nacional, a actividade de ‘geocaching’ está associada a diversos efeitos positivos, uma vez que permite descobrir, fruir e conhecer o património, promover os territórios e fomentar a prática de outras actividades, como o pedestrianismo, o cicloturismo e a observação da natureza. Assim, esta actividade incentiva o exercício físico e as actividades de aprendizagem, bem como a consciência ambiental.

Ciclo ‘Viva Termas Centro’ conjuga descobertas com experiências

A criação da rede de geocaching está inserida no ciclo de animação em rede ‘Viva Termas Centro’, promovido pela rede Termas Centro nas suas 20 estâncias termais. O ciclo desenvolve-se a partir de três eixos, que levam os participantes a descobrir a rede cultural que envolve as termas, a explorar o seu território e património e a desfrutar de novas experiências. Concretamente, a iniciativa de’ geocaching’ está integrada no eixo ‘Explore - O Nosso Território e Património’, que assume dois propósitos: a sensibilização para o conhecimento dos recursos aquíferos e espaços termais que compõem a rede e dos recursos naturais e paisagísticos da sua envolvente. Pretende‐se que os turistas que procuram a região descubram as termas e que, em paralelo, os aquistas que vão às termas descubram a região.

A rede Termas Centro, cujo promotor líder é a Associação das Termas de Portugal - Delegação Centro - é um projecto cofinanciado pelos programas operacionais Centro 2020, Portugal 2020 e pela União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), no âmbito da Estratégia de Eficiência Coletiva PROVERE (Programa de Valorização Económica de Recursos Endógenos).

Um total de 20 estâncias termais da região Centro integram o consórcio, representando 60 por cento do mercado nacional. A saber: Termas de Alcafache, Termas de Almeida - Fonte Santa, Termas de Águas - Penamacor, Termas do Bicanho, Caldas da Felgueira, Caldas da Rainha, Termas do Carvalhal, Termas da Curia, Termas do Cró, Termas da Ladeira de Envendos, Termas de Longroiva, Termas de Luso, Termas de Manteigas, Termas de Monfortinho, Termas da Piedade (Vestiaria, Alcobaça), Termas de Sangemil, Termas de São Pedro do Sul, Termas de Unhais da Serra, Termas de Vale da Mó e Termas do Vimeiro (Maceira, Torres Vedras).

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Turismo Centro de Portugal