Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Autárquicas: PEV diz que declarações do Governo foram “vagas” e aguarda proposta formal

eleicoes autarquicas de 2021

Os 'Verdes' caracterizaram hoje como “vagas” as declarações do ministro da Administração Interna (MAI) sobre a realização das autárquicas em dois fins-de-semana, aguardando pela proposta do Governo e vincando que “é possível fazer eleições em segurança”.

“As declarações do senhor ministro são muito breves e são vagas e por isso os ‘Verdes’ aguardam pela proposta definitiva do Governo para depois podermos avaliar se concordamos ou não concordamos”, disse à Lusa a deputada do Partido Ecologista ‘Os Verdes’ (PEV) Mariana Silva.

O ministro da Administração Interna admitiu hoje a possibilidade de as eleições autárquicas, previstas para Setembro ou Outubro, se realizarem em dois fins-de-semana devido à pandemia de Covid-19.

Em entrevista à agência Lusa, Eduardo Cabrita disse que nas eleições autárquicas “não está previsto o voto antecipado”, mas existe “abertura para ponderar modelos”, sendo “a distribuição do voto entre dois fins-de- semana perfeitamente possível”.

Mariana Silva salientou que “há aqui um caminho que já se fez nas [eleições] presidenciais e que podemos limar em algumas questões”, apontando que “os municípios provaram que era possível” realizar eleições em contexto de pandemia, “arranjando espaços bastante amplos, arejados, de forma a que as pessoas se sentissem seguras no acto da eleição”.

A deputada reconheceu que as autárquicas, com eleições para diferentes órgãos, envolvem uma logística diferente, no entanto, continuou, “a experiência das presidenciais” poderá ajudar com algumas questões. “Perceber se os votos estão seguros de um momento para o outro, se há condições de segurança que se possam aplicar, de que forma é que se vai fazer toda esta burocracia à volta de um acto eleitoral tão importante”, apontou.

A deputada do PEV vincou que é possível fazer eleições “em segurança, é possível fazê-lo respeitando todas as regras de higienização e, por isso, aguardamos a proposta do Governo porque não passamos cheques em branco e estamos na expectativa do que é que propõem para depois podermos avaliar”.

Na entrevista à Lusa, Eduardo Cabrita disse que nas eleições autárquicas “não está previsto o voto antecipado”, mas existe “abertura para ponderar modelos”, sendo “a distribuição do voto entre dois fins-de-semana perfeitamente possível”. Ressalvando que “tudo depende da Assembleia da República”, o governante explicou que, nas eleições autárquicas, “não é possível o voto em mobilidade porque isso implicaria ter tantos boletins de voto disponíveis quantas as três mil freguesias que existem no país e, portanto, seria uma operação logística impossível”.

Questionado sobre a alteração da data das eleições, Eduardo Cabrita referiu que matérias de lei eleitoral são de “reserva absoluta” da Assembleia da República, mas afirmou também que não há qualquer certeza “de que a situação em Dezembro possa estar melhor do que em Setembro”.

As eleições autárquicas são marcadas por decreto do Governo e deverão realizar-se entre 22 de Setembro e 14 de Outubro, de acordo com a lei.

Texto: ALVORADA com agência Lusa