Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: Todas as farmacêuticas “com problemas” de produção de vacinas segundo OMS

Covid 19 vacina Moderna

A subdiretora-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Mariângela Simão, alertou hoje que todas as farmacêuticas “estão com problemas” de produção de vacinas contra a Covid-19, defendendo o aumento da capacidade instalada a nível mundial.

Todos os produtores estão com problemas, seja a Pfizer, seja a Moderna, seja a AstraZeneca. A estabilização da produção ainda não está fechada”, afirmou a responsável da OMS para a área do acesso a medicamentos num debate ‘online’ promovido pela agência Lusa sobre as vacinas contra o novo coronavírus.

Segundo a especialista, também a Johnson & Johnson, que recebeu recentemente autorização da OMS e da Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês) para a sua vacina de dose única, está “enfrentando problemas para estabilizar a produção e já avisou alguns dos países que vai entregar menos [vacinas] do que está nos contratos”.

Neste debate no âmbito da iniciativa dos ‘Encontros Lusa Online’, Mariângela Simão admitiu ainda ser possível que se verifique com o vírus SARS-CoV-2 “um cenário semelhante” ao da gripe, obrigando a campanhas de imunização sazonais e regulares das populações. “Por isso é importante pensar em ter a capacidade instalada que não há agora” para a produção de vacinas, através de polos regionais, defendeu Mariângela Simão, tendo em conta que os dados conhecidos ainda não permitem aferir se a “imunidade vai ser permanente ou não”.

A subdirectora-geral da OMS adiantou também que, neste momento, existem mais de 2.500 estudos no mundo sobre terapias diferentes para combater o SARS-CoV-2 e considerou que apenas no final do ano haverá perspectivas de “ter alguma coisa” em concreto nesta matéria.

Sobre a criação de um passaporte de vacinação para facilitar a circulação de pessoas, Mariângela Simão reiterou que, neste momento, esta “não é a melhor medida porque torna o mundo mais desigual do que já é”, devido à baixa cobertura de vacinação no mundo, uma vez que cerca de 70% das mais de 300 milhões de doses administradas no mundo foram em apenas 10 países. Além disso, os dados científicos disponíveis indicam que as vacinas contra a Covid-19 não impedem que uma pessoa vacinada transmita o vírus a outras, disse a responsável da OMS. Essa medida “não faz sentido científico, nem da equidade”, sublinhou Mariângela Simão, ao recordar que a orientação da OMS para quem já foi vacinado é que “continue a tomar certos cuidados para evitar transmitir” o vírus para outras pessoas.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Lusa (arquivo)