Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Autárquicas: Moção da liderança do BE à convenção rejeita coligações com a direita e o PS

eleicoes autarquicas de 2021

A moção que a liderança do BE leva à convenção rejeita qualquer coligação “com os partidos de direita e com o PS” nas próximas eleições autárquicas, mas assume a disponibilidade dos bloquistas “para todas as responsabilidades” nos municípios e freguesias.

As eleições autárquicas deste ano são um dos pontos do texto com os tópicos para a moção A, ao qual à agência Lusa teve acesso e que é subscrito pela coordenadora bloquista, Catarina Martins, pelo líder parlamentar, Pedro Filipe Soares, e pela eurodeputada e ex-candidata presidencial, Marisa Matias.

A XII Convenção Nacional do BE está agendada 22 e 23 de Maio, no distrito do Porto, depois de um primeiro adiamento devido à pandemia.

O Bloco tem como objectivo o aumento e rejuvenescimento da sua representação nos municípios e freguesias. O Bloco apresenta listas próprias, abertas à participação de candidatos independentes e não realizará coligações com os partidos de direita e com o Partido Socialista”, propõe. De acordo com o texto, os bloquistas ponderam a renovação de coligações ou o apoio a movimentos de cidadãos cujo balanço feito seja positivo.

Em cada executivo, o Bloco está disponível para todas as responsabilidades, contribuindo para a formação de maiorias que, excluindo os partidos de direita, assentem em compromissos sobre medidas fundamentais”, assegura. Assim, o BE estabelece o objectivo de ser alternativa também nas autarquias no texto com os tópicos para moção que a actual liderança vai levar à reunião magna do partido, no qual são feitas várias críticas ao Governo e ao PS.

Nas últimas eleições autárquicas, em Outubro de 2017, o BE teve um aumento expressivo de votos, conseguiu recuperar um vereador em Lisboa e eleger mandatos para autarquias inéditas, mas falhou a conquista de uma câmara, objectivo que havia sido traçado por Catarina Martins, ficando-se pelos 3,29% dos votos na contagem para as câmaras municipais.

De acordo com a lei eleitoral para os órgãos das autarquias locais, estas eleições são marcadas “por decreto do Governo com, pelo menos, 80 dias de antecedência” e realizam-se “entre os dias 22 de Setembro e 14 de Outubro do ano correspondente ao termo do mandato”.

Texto: ALVORADA com agência Lusa