Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: Imunologistas admitem que no futuro não serão necessários reforços de vacinação

vacina coronavirus 19

O novo coronavírus veio para ficar entre os humanos, mas a doença por ele causada, a Covid-19, poderá ficar como uma constipação, como as provocadas por outros coronavírus, admitem imunologistas, considerando que não serão necessários reforços da vacinação.

Segundo os imunologistas Marc Veldhoen e Henrique Veiga-Fernandes, questionados pela Lusa sobre a duração da imunidade conferida pelas vacinas contra a Covid-19, que continua a ser uma incógnita porque é preciso mais tempo para aferir se houve entre a população vacinada qualquer diminuição da protecção ou aumento da incidência da doença, o coronavírus SARS-CoV-2 irá conviver naturalmente nas pessoas e infectar ocasionalmente sem provocar doença grave. "Vai circular em equilíbrio na população humana e causar doença ligeira, uma constipação", disse Henrique Veiga-Fernandes, que lidera o laboratório de imunofisiologia no Centro Champalimaud, em Lisboa. Henrique Veiga-Fernandes entende que, com o tempo, a resposta imunitária (desencadeada por anticorpos e células linfócitos T) ao SARS-CoV-2 será "idêntica à de outros coronavírus" humanos, que causam simples constipações, pelo que "não serão necessários reforços" da vacinação.

De acordo com Marc Veldhoen, que coordena o laboratório de regulação do sistema imunitário no Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes, também em Lisboa, à semelhança dos quatro coronavírus humanos que provocam a vulgar constipação, "é muito plausível" que o SARS-CoV-2 permaneça entre as pessoas e "infecte de vez em quando", quando a imunidade "diminui apenas o suficiente para permitir a reinfecção" embora se mantenha "forte o suficiente para prevenir doença severa". Para o imunologista holandês, "é provável que a imunidade para prevenir a reinfecção dure vários meses e a imunidade contra a doença dure vários anos". Henrique Veiga-Fernandes estima em "superior a um ano" como "cenário mais provável".

"A reinfecção vai continuar a 'aumentar' a nossa imunidade, por isso estamos protegidos da Covid-19 para o resto das nossas vidas pela presença contínua do próprio vírus", sustentou Marc Veldhoen, assinalando que o SARS-CoV-2 sobreviverá na população humana para reinfectar ocasionalmente quem foi infectado ou imunizado anteriormente. "Seremos assintomáticos ou teremos uma doença leve, febre ligeira, tosse, tipo constipação comum", advogou, adiantando que, embora o SARS-CoV-2 sofra mutações (alterações genéticas) a uma "taxa semelhante à de alguns vírus da gripe", o novo coronavírus "não recombina as suas proteínas de superfície com outros coronavírus". Por isso, haverá novas variantes do SARS-CoV-2 mas "não diferentes o suficiente para escapar à resposta imunitária" humana ou que possam "sobrecarregar o sistema imunitário". Nesse sentido, na opinião de Marc Veldhoen, não será necessário repetir a administração de vacinas contra o coronavírus da Covid-19, ao contrário do que sucede com a vacina da gripe sazonal, que tem uma periodicidade anual porque os vírus gripais mudam constantemente, o que faz com que a imunidade dada pela vacina num ano não seja duradoura ou válida no ano seguinte.

Expectável que vacinação confira imunidade durante pelo menos um ano

O imunologista Luís Graça afirma que "é expectável" que a vacinação contra a Covid-19 confira protecção durante pelo menos um ano, mas observou que é necessário tempo para se ver como evolui a imunidade das pessoas vacinadas.

"Como as pessoas que tiveram Covid-19 têm, na sua maioria, um estado de imunidade que dura pelo menos sete ou oito meses, é expectável que a vacinação confira imunidade por um período de pelo menos um ano", referiu, em declarações à Lusa, realçando que "as pessoas vacinadas produzem uma maior quantidade de anticorpos contra o vírus do que as pessoas que tiveram Covid-19". Contudo, segundo Luís Graça, que coordena o laboratório de investigação em imunologia celular no Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes, em Lisboa, "ainda não decorreu tempo suficiente para se saber a duração da imunidade" dada pelas vacinas. "Precisamos de tempo para ver como evolui a imunidade das pessoas vacinadas ao longo de meses e anos", sublinhou, quando confrontado pela Lusa com a incógnita da duração da imunidade vacinal contra a Covid-19, uma doença respiratória causada por um novo coronavírus (tipo de vírus) que se tornou pandémico.

As vacinas contra a Covid-19 já aprovadas e administradas em várias partes do mundo, incluindo Portugal, apesar de baseadas em tecnologias distintas e com graus de eficácia diferenciados, são como que um manual de instruções para um exército de células do corpo produzir anticorpos (substâncias) capazes de neutralizar o coronavírus SARS-CoV-2 quando invade o organismo. A duração da imunidade contra a Covid-19 gerada artificialmente pelas vacinas (e não naturalmente pela infecção) ainda não é conhecida porque "os primeiros ensaios" clínicos "foram iniciados há poucos meses", lembrou Luís Graça.

De acordo com o imunologista Carlos Penha-Gonçalves, que trabalha no Instituto Gulbenkian de Ciência, em Oeiras, onde lidera o laboratório de genética de doenças, "as circunstâncias da pandemia puseram a exigência na segurança e eficácia imediata da vacina e não no seu efeito a longo prazo". "As vacinas têm uma aprovação em regime de excepção, aprovação de emergência", acentuou à Lusa, adiantando que "os testes para avaliar a duração da imunidade vacinal precisam de um longo período de observação", por vezes anos, "que obviamente não é compatível com a necessidade da rápida entrada das vacinas no mercado". Em situações normais, que não uma emergência sanitária como a Covid-19, os ensaios clínicos "são mais prolongados no tempo", frisou o investigador, que propôs em Junho, a par de outros cientistas, um roteiro para a testagem serológica da doença em Portugal.

Carlos Penha-Gonçalves esclareceu que para se perceber qual a duração da protecção dada pelas vacinas contra a Covid-19 são precisos estudos de acompanhamento das pessoas vacinadas "ao longo de períodos largos", que permitam monitorizar a resposta imunológica, por exemplo medir a concentração de anticorpos, e a presença de sintomas e do vírus. Tais estudos possibilitam também "definir quando serão necessários reforços vacinais". "A periodicidade das vacinas depende da duração da imunidade", disse o imunologista, apontando que "o aparecimento de estirpes de SARS-CoV-2 que escapem à resposta imune gerada pela vacina determinará a produção de novas vacinas e a periodicidade da vacinação".

Em Janeiro, a empresa de biotecnologia norte-americana Moderna anunciou que iria produzir uma vacina específica contra a variante sul-africana do SARS-CoV-2, considerada mais contagiosa do que o vírus original. Uma medida que indicou ser de precaução, apesar de, genericamente, ter assegurado que a vacina em circulação é eficaz contra a variante sul-africana, mas também britânica, igualmente mais transmissível.

O consórcio germano-americano BioNTech/Pfizer assegurou igualmente que a sua vacina se mantém eficaz contra as estirpes britânica e sul-africana - detectadas em finais de 2020, quase em simultâneo com as aprovações das vacinas pelos reguladores de medicamentos - mas que poderá adaptá-la se for necessário.

Em Portugal, à semelhança de outros países da União Europeia, a campanha de vacinação contra a Covid-19 começou em 27 de Dezembro de 2020. O plano nacional de vacinação para a Covid-19 prevê "estudos de seguimento clínico de medição e acompanhamento da resposta imunitária", que "serão desenvolvidos a nível nacional e integrados em estudos europeus mais amplos, de forma a atingir-se uma monitorização mais efectiva e completa".

Texto: ALVORADA com agência Lusa