Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: INEM autorizado a partir de hoje a transportar doentes para centros de saúde

INEM

O responsável dos Centros de Orientação de Doentes Urgente (CODU) do INEM - Instituto Nacional de Emergência Médica esclareceu que só desde hoje, depois da autorização da ARSLVT - Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, os doentes podem ser encaminhados pelo instituto para os cuidados de saúde primários, ou seja, para os centros de saúde.

Em declarações à agência Lusa a propósito do acumular de dezenas ambulâncias nos últimos dias à porta do Hospital de Santa Maria (Lisboa), o responsável pelos CODU do INEM explicou que, até aqui, os doentes só podiam ser transportados para unidades hospitalares. “De acordo com actuações aplicadas ao CODU, a legislação em vigor prevê que o INEM faça o transporte do doente urgente para unidades hospitalares com nível de serviço urgência básico, serviço urgência médico-cirúrgico e serviço de urgência polivalente, não para centros de saúde”, explicou António Taboas.

O responsável acrescentou que, “com as indicações que a ARS disponibilizou de unidades saúde, como os centros de saúde, é possível e está implementado a partir de hoje”. Explicou que, com esta alteração, o doente pode ser transportado para os cuidados de saúde primários tanto a partir da pré-triagem das equipas criadas em Santa Maria como do próprio domicílio, ou de outro local onde o doente esteja a ser assistido.

O Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (que inclui o Santa Maria) anunciou na quinta-feira a criação de equipas de pré-triagem para avaliar os doentes que chegam em ambulâncias ao Santa Maria e, se não precisarem efectivamente de assistência na urgência hospitalar, serão encaminhados para o Agrupamento de Cuidados de Saúde (ACES) de Sete Rios e Odivelas.

Reconhecendo que esta mudança vai ajudar a diminuir as filas de dezenas de ambulâncias que diariamente aguardam à porta do Santa Maria, o responsável sublinhou que “nem todas ambulâncias que estão à espera são acionadas pelos CODU do INEM”, pois “qualquer pessoa que solicite uma ambulância para transporte às urgências pode ser encaminhada por sua iniciativa”.

António Taboas recordou ainda que o Hospital de Santa Maria “esteve a receber até quinta-feira à noite doentes de toda a área influencia do Hospital Amadora-Sintra e que, pontualmente, já havia indicação da ARSLVT para os doentes serem desviados para Santa Maria por constrangimentos noutros hospitais". O responsável sublinhou que “a finalidade dos cuidados de saúde primários não é a urgência” e que alguns centros de saúde não têm capacidade para alguns exames, mas que, face a este problema, “houve com certeza necessidade que a ARS preparasse estas unidades”.

Questionado sobre aos dados revelados pelo Hospital de Santa Maria de que apenas 15% dos doentes que chegam às urgências são efectivamente doentes urgentes ou emergentes, o responsável do INEM disse que os dados do instituto são diferentes. “Quando estamos a avaliar um doente mediante chamada [à distância] estamos a usar protocolos aprovados pela Ordem dos Médicos. Há sempre regulação médica das chamadas atendidas nos CODU e as equipas que vão ao local onde a vítima se encontra assistem-na, o que pode fazer com que o grau de gravidade inicialmente identificado possa ser diferente quando o doente chega ao hospital. Numa situação de baixa de açúcar no sangue, em que o doente está inconsciente e não responde, essa é uma situação para nós de doente urgente ou emergente e as equipas assistem-no. Se durante o percurso o doente responde ao tratamento e começa a melhorar os níveis de açúcar no sangue, chega ao hospital e a triagem vai ser efectivamente de menor gravidade”, exemplificou, sublinhando que a condição clínica do doente não é estática.

Segundo disse, os dados referentes ao mês de Janeiro mostram que, por exemplo, dos doentes com dificuldade respiratória a quem foi aplicada oxigenoterapia, a grande maioria, a nível nacional, acaba por ter uma triagem inicial de maior gravidade do que aquela que é feita à chegada ao hospital. “Nós não fazemos apenas o transporte do doente”, sublinhou.

Ainda sobre o encaminhamento de doentes, António Taboas disse que das chamadas que o INEM recebe diariamente, 10% são encaminhadas para o SNS24 e não são acionados meios de emergência. “Em média são enviadas cerca de 350 por dia”, disse o responsável.

Texto: ALVORADA
Fotografia: Paulo Ribeiro/ALVORADA (arquivo)