Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Covid-19: DGS garante que vacinação nos lares vai seguir “critérios transparentes”

Graca Freitas DGS

A directora-geral da Saúde, Graça Freitas, assegurou hoje que o processo de vacinação contra a covid-19 nos lares de idosos vai seguir “critérios transparentes” e que as pessoas não terão de esperar muito tempo.

“Para cada grupo considerado importante, como os residentes dos lares, o espaço de vacinação não vai ser muito grande: uns são vacinados numa semana, outros na semana a seguir”, começou por afirmar Graça Freitas na conferência de imprensa da Direcção-Geral da Saúde (DGS) sobre a evolução da pandemia, acrescentando: “Quero deixar uma palavra de tranquilidade. É uma questão de dias e os critérios são transparentes”.

Em relação aos critérios de selecção dos utentes dos estabelecimentos residenciais para idosos para receberem a vacina nesta primeira fase, Graça Freitas lembrou que a ‘task-force’ constituída pelo Governo para coordenar a vacinação está a analisar os critérios e indicou que a legalidade desses espaços não vai afectar o processo e será “tratado da mesma maneira” pelas autoridades de saúde. “Quanto aos critérios, podemos usar mais do que um critério; por exemplo, o critério de lares que estejam localizados em concelhos de alta incidência - em que a probabilidade de haver penetração do vírus no lar e originar um surto é maior; um outro critério é o tamanho e a densidade populacional do lar - que poderá ter implicações maiores se tiver um surto; e o critério dos lares que tiverem surtos activos, que não vão ser vacinados em pleno surto”, disse.

Paralelamente, a directora-geral da saúde actualizou os dados de surtos activos em lares para 153, dos quais 147 deles em estabelecimentos residenciais para idosos (ERPI) e seis na rede nacional de cuidados continuados, totalizando 4.946 pessoas infectadas.

Questionada sobre a inclusão de elementos dos órgãos de soberania nesta primeira fase de vacinação, à semelhança do que outros países europeus fizeram, Graça Freitas vincou que a decisão sobre esta matéria não passa pela Direcção-Geral da Saúde (DGS), mas lembrou que exercem “funções muito importantes para a sociedade” e que é uma questão ainda em aberto.

“Nada impede que se considere vacinar órgãos de soberania”, indicou, sem deixar de destacar: “A DGS só recomenda, não decide. A DGS é favorável a que órgãos de soberania possam ser vacinados. Sobre a questão das prioridades, preferíamos que fossem decididas pelos próprios órgãos de soberania”.

Portugal contabiliza pelo menos 6.751 mortos associados à Covid-19 em 400.002 casos confirmados de infecção, segundo o último boletim da Direcção-Geral da Saúde (DGS).

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Lusa (arquivo)