Pesquisa   Facebook Jornal Alvorada
Assinatura Digital

Login na sua conta

Username *
Password *
Lembrar-me

Criar uma conta

Campos marcados com (*) são obrigatórios.
Nome *
Username *
Password *
Confirmar Password *
Email *
Confirmar email *
Captcha *
Reload Captcha

Associação ambientalista Zero inicia hoje campanha de medição de ruído

Zero campanha do ruido

A associação ambientalista Zero inicia hoje uma campanha de medição de ruído, apelando para a participação dos cidadãos na construção de uma base de dados que abranja todo o país. A campanha, explica a associação em comunicado, pretende envolver os cidadãos de forma activa na medição do ruído que os afecta e tornar também o país mais informado e participativo nas questões ambientais. A iniciativa destina-se aos cidadãos em geral, mas também a professores e alunos e municípios.

O projecto, chamado 'MobilizAr - Rumo à Poluição Zero', é financiado pelo Fundo Ambiental, no âmbito da Estratégia Nacional de Educação Ambiental 2020, e pretende ainda “contribuir para uma maior informação, sensibilização e capacitação dos cidadãos a agirem sobre os problemas ambientais locais, nomeadamente a qualidade do ar, o ruído e a mobilidade”.

A Zero lembra que segundo a Organização Mundial da Saúde o ruído ambiente é a segunda maior causa ambiental de problemas de saúde, a seguir à poluição do ar. O ruído “é um problema generalizado na Europa, com pelo menos uma em cada cinco pessoas expostas a níveis considerados prejudiciais para a saúde, ou seja 20% da população. Isto corresponde a mais de 125 milhões de pessoas em toda a Europa”, afirma a Zero no comunicado. A Zero estima que a exposição a longo prazo ao ruído ambiente cause 12 mil mortes prematuras na Europa por ano, contribua para 48 mil novos casos de doenças cardíacas, e cause perturbações do sono a 6,5 milhões de pessoas.

A associação diz ainda que a maioria das cidades portuguesas regista valores de ruído acima do limite legal, de acordo com a legislação nacional e europeia em vigor, e cita dados da Agência Portuguesa do Ambiente, segundo os quais 20% da população residente em Portugal Continental está exposta a níveis sonoros que induzem perturbações no sono e 15% está exposta a níveis associados a incomodidade moderada. “O que representa cerca de 2 milhões de pessoas no primeiro caso e 1,5 milhões no segundo”, adianta.

Monitorizar o ruído é “fundamental” para estudar e avaliar os seus efeitos, e qualquer cidadão o pode fazer através de aplicações gratuitas para os telemóveis. Através da página https://mobilizar.pt/iniciativas/campanha-do-ruido/ a associação explica como se deve proceder para fazer e enviar as medições de ruído.

Texto: ALVORADA com agência Lusa
Fotografia: Zero